21 de Julho de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
William Waack em entrevista a Revista Raça
01/09/2013
População negra já passa dos 100 milhões, garante IBGE
Da Redação

Brasília – A população negra brasileira – que já era a maior fora da África – ultrapassou a casa dos 100 milhões de pessoas, de acordo com o estudo "Projeção da População do Brasil por Sexo e Idade para o período 200/2060 e Projeção da População das Unidades da Federação Por Sexo e Idade para o período 2000/2030", do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A população preta e parda, que corresponde a 50,7% da população brasileira, de acordo com o Censo do IBGE de 2010, agora já chega a 101.923.585 habitantes. A publicação informa que esta semana o Brasil passou dos 200 milhões de habitantes: somos agora 201.032.714 habitantes.

O estudo também faz uma projeção de quantos seremos até 2042, quando a população deverá chegar a 228,4 milhões – 115,7 milhões de negros, pretos e pardos autodeclarados, de acordo com o critério de classificação de raça e cor do IBGE.

Com uma população de 170 milhões, a Nigéria é o país mais populoso da África e o oitavo mais populoso do mundo. No Censo do IBGE 2010, pela primeira vez, desde o primeiro censo realizado no Brasil, em 1.872, a população preta e parda autodeclarada ultrapassou os brancos. Dos 190.755.799 habitantes, 91.051.646, declararam-se brancos, 14.517.961 declararam-se pretos, 82.277.333, pardos – (96.795.294 negros no total); 817.963 indígenas e 2084.288 amarelos. Dos pesquisados, 6.608 nada declararam.

O crescimento da população em geral, e da negra, em particular coloca por terra a visão que pretende impor ao Brasil os valores eurocêntricos como, por exemplo, o padrão de beleza, que justifica a predominância do tipo loiro de olhos azuis como estética dominante.

História

Durante o I Congresso Internacional das Raças, realizado em Londres, em julho de 1.911, o delegado brasileiro João Batista Lacerda, diretor do Museu Nacional, apresentou a tese "Os mestiços do Brasil", em que garantia que em 100 anos, precisamente em 2.012, os negros desapareceriam da população brasileira e os mestiços estariam reduzidos a 3%. A elite racista, entre os quais intelectuais e cientistas, da época atribuíam o atraso do país ao fato de ter uma maioria de população negra. A tese de Lacerda chegou a provocar revolta nessa elite, que considerava um século um tempo muito longo para o Brasil tornar-se branco.


Artigos Relacionados
Tribunal de Justiça de SP absolve acusados no caso Januário
Fernandinho vira alvo de racistas pela derrota para Bélgica
Presidente da UGT abre Oficina de Formação com perspectiva de gênero e raça
Novo governador de SP cancela campanha contra o racismo
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados