9 de Abril de 2020 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
12/12/2013
Estudante acusa de racismo PM que o tirou de ônibus em AL
Da Redação, com informações do G1 e Rede Record

São Miguel dos Campos/Alagoas – O estudante negro Jonas Barbosa, 24 anos, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) foi expulso do ônibus em que viajava pelo tenente da Polícia Militar alagoana, Madson Belarrmino, sob a mira de uma pistola, porque estaria sentado no ônibus quando deveria viajar de pé. Barbosa, do Curso de Matemática, acusa o policial de violência com viés racista.

O caso aconteceu anteontem e está tendo intensa repercussão na mídia nacional pela gratuidade e violência da ação do PM, que também é gestor da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) de S. Miguel dos Campos. Nas imagens, o superintendente ameaça o universitário com uma arma de fogo, e o expulsa do ônibus que seguia para Maceió.

As imagens registram o estudante sendo conduzido para fora do ônibus escolar pelos gestor público que se identifica como superintendente da SMTT. Na sequência, ao tentar retornar ao veículo o homem aponta uma arma para o jovem e em voz alta diz que está dando uma ordem legal para que ele desça.

Depois chama uma viatura policial e pergunta se o ônibus pertence ao estudante, acrescentando que o veículo é da Prefeitura. O estudante então desceu do ônibus e teve de pagar transporte privado para viajar até Maceió para assistir a aula.

Violência

O tenente disse ao Portal G1 que o vídeo foi editado e ameaçou processar o estudante. Jonas Barbosa disse que tudo começou quando recusou-se a aceitar a marcação de cadeiras que foi afixada no ônibus escolar por uma servidora.

“Rasguei esse mapa porque discordo desta marcação de lugar. O transporte é público e qualquer estudante tem o direito de usar e viajar em qualquer assento que encontre vazio. No entanto, por conta disto, por contestar uma situação, fui humilhado, ameaçado e agredido com uma arma no rosto. Expulso do transporte público o qual pago com o valor dos impostos”, denunciou.

O estudante acusou o PM de praticar violência e de racismo. “Como cidadão me senti agredido moralmente e vou processar este gestor na justiça para evitar que situações como esta volte a ocorrer. Posso ter errado, mas isso não o dá o direito de me humilhar em público e me ameaçar com uma arma”, concluiu.

Veja o vídeo reproduzido pela TV Record:

http://r7.com/8002

 

 


Artigos Relacionados
Justiça condena dois homens por racismo contra Maju Coutinho
Bolsonaro nomeia capitão do mato para Fundação Palmares
Violência e truculência fascista marcam o Dia da Consciência Negra
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados