9 de Dezembro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
22/02/2014
Lembra da racista da Paulista? A moça da foto ganhou na Justiça
Da Redação, com informações do Jornal Folha de S. Paulo

S. Paulo – Davina Castelli, 72 anos, a aposentada – que ficou conhecida nas redes sociais como racista da paulista, por agredir e insultar negros costumeiramente à porta do Shopping Top Center - vai para a cadeia: é o que decidiu a juíza Giovana de Oliveira, que determinou sua prisão imediata por “descaso e desrespeito à Justiça” e a condenação a quatro anos de prisão em regime semiaberto por agressões e insultos racistas.

A decisão da juíza, em primeira instância, não é considerada comum nos meios judiciários. A Defensoria Pública de S. Paulo, que atuou no caso porque a aposentada não contratou advogado, disse que vai recorrer da decisão porque entende que a juíza extrapolou ao suspender o direito de Davina de recorrer em liberdade. A Defensoria já entrou com Habeas Corpus para evitar a prisão.

A agressão que resultou na condenação da aposentada foi feita a corretora Karina Chiaretti, 36 anos (foto), sobrinha do militante negro Hélio Santos, a vendedora Suelen Meirelles e ao supervisor predial Alex Marques da Silva, 23 anos. Os três foram agredidos com as seguintes frases: “Macaca, eu não gosto de negro; negro é imundo; a entrada de negros no shopping deveria ser proibida; odeio negros, negros são favelados”.  

Além da condenação à prisão, Davina terá de pagar R$ 28.960,00 – o equivalente a 40 salários mínimos - de indenização por danos morais a cada um dos três ofendidos.

Como foi

O caso aconteceu em novembro de 2.012 e foi acompanhado pela advogada Carmen Dora de Freitas Ferreira, presidente da Comissão da Igualdade Racial da OAB/SP. Segundo Karina, ela estava com a filha de 8 anos quando foi ofendida pela aposentada. Segundo ela, tão grave quanto o comportamento da agressora foi a omissão da Polícia.

 

“A Polícia não está preparada para crimes raciais. A escrivã não queria registrar o caso. Ela disse: vai embora que isso não vai dar em nada. Já tem seis BOs (Boletins de Ocorrência) por racismo contra essa mulher”, contou.

Karina afirma que a Polícia só mudou o tratamento quando voltou a delegacia três dias depois, porque o tio – Hélio Santos –, que é o ativista negro mais próximo ao PSDB, amigo pessoal do ex-governador José Serra e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – ligou para o governador Geraldo Alckmin para reclamar. “Sem “carteirada” esse caso não teria andado”, acrescentou.

Veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=cmOYg439LtQ

 


Artigos Relacionados
Bolsonaro nomeia capitão do mato para Fundação Palmares
Violência e truculência fascista marcam o Dia da Consciência Negra
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados