22 de Novembro de 2019 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
Mais vistos
25/09/2014
O ser mulher e negra de Marina não basta para negros da Bahia
Da Redação, com informações do Jornal A Tarde/Cleidiana Ramos

Salvador – O fato da ex-senadora Marina Silva (PSB) se audodeclarar a “primeira mulher negra de origem pobre”, com chances de chegar à Presidência da República, não foi o bastante para que o movimento negro da Bahia, optasse de forma unificada pela sua candidatura na disputa com a Presidente Dilma Rousseff (PT) que concorre à reeleição.

Em duas reuniões que aconteceram nos últimos dias, a divisão se tornou explícita com nomes como João Jorge Rodrigues, do Olodum, e Vovô, do Ilê Aiyê, fazendo a opção por Dilma – que aparece a frente nas pesquisas – e outros como Zulu Araújo, ex-presidente da Fundação Palmares, e o vereador Sylvio Humberto (PSB), do Instituto Steve Biko, declarando apoio a Marina Silva.

Uma reunião que aconteceu nesta quarta-feira (24/09), na sede do Ilê, serviu para a divulgação de uma carta de apoio dos apoiadores à reeleição de Dilma. Os participantes da reunião – na sua maioria lideranças negras do PT e do PC do B, ligadas, respectivamente, a CONEN e a UNEGRO, do movimento negro governista - aderiram a campanha sem apresentar qualquer reivindicação, nem cobrar compromisso com as bandeiras históricas que o próprio movimento tem levantado.

Negros com Dilma

A justificativa para a adesão a Dilma, foi que “está em jogo não apenas uma disputa eleitoral, mas projetos políticos”, como disse Gilberto Leal, da CONEN, durante a reunião. “A nossa opção é por aquele que tem conquistas mais próximas às bandeiras históricamente nós defendemos”, afirmou Leal, um crítico declarado da gestão da socióloga Luiza Bairros à frente da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), da Presidência da República.

O presidente do Olodum, João Jorge Rodrigues, embora filiado ao PSB, não apenas aderiu a campanha pela reeleição de Dilma como atacou a candidata do seu partido. “Meu partido, o PSB, no qual ela entrou porque não conseguiu criar o seu, em 1.947 lutou pela liberdade religiosa, questão que ela não entende, além de reunir apoios como o de Marco Feliciano que faz um mal enorme à defesa dos direitos humanos” afirmou, omitindo que a Rede Sustentabilidade - o partido de Marina - foi inviabilizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em meio a denúncias feitas pela própria candidata de interferência do Governo Federal, interessado em que não houvesse tempo para sua legalização para a disputa eleitoral deste ano.

Negros com Marina

No sábado (20/09), lideranças negras baianas ligadas a candidata do PSB receberam Marina e lançaram manifesto em que informam terem debatido na reunião, “o enfrentamento ao racismo, a defesa da promoção da igualdade racial, o combate à intolerância religiosa, a garantia da transversalidade da política de governo, elementos centrais para a defesa do Estado Republicano, laico e com respeito à diversidade étnico-racial”

Mais adiante garantem que Marina assumiu compromissos com essas causas e manifestam apoio a candidata, apresentando um texto com propostas.

Confira o texto das lideranças do PSB

Neste sentido, são necessárias novas ações governamentais que garantam as políticas públicas em andamento e assegurem o diálogo permanente com a comunidade negra brasileira, ações que preservem a autonomia do movimento negro, tratando-o com dignidade e respeito, reconhecendo a pluralidade e diversidade nele existente – imperativo no ambiente democrático em que  estamos vivendo -, para assegurar sua participação em todas as decisões referentes à promoção da igualdade racial no país.

Queremos um governo que dialogue com todas as formas de expressão da negritude brasileira, independentemente da matriz política à qual esteja vinculado ou da denominação religiosa a que pertença. Do mesmo modo, queremos um governo que seja parceiro destas organizações em todas as ações que levem à superação das desigualdades raciais no Brasil, em particular no tocante a juventude negra brasileira que vem sendo vítima de um verdadeiro genocídio. Queremos um compromisso claro do futuro governo para que sejam, de um lado, mantidas as conquistas alcançadas até o momento, em particular as cotas raciais para negros e negras nas universidades, por meio de um forte programa de permanência destes jovens no ensino superior, e, de outro, que sejam adotadas medidas que levem à aceleração do processo de promoção da igualdade racial no Brasil, como a efetivação dos concursos públicos, com cotas raciais, já aprovados pelo Congresso Nacional.

Que o enfrentamento ao racismo e a promoção da igualdade racial no Brasil sejam parte integrante do projeto de uma nação fraterna e igualitária, para desenvolvimento estratégico e sustentável.  Propostas:

1. Apoio à criação do Fundo Nacional de Combate ao Racismo: instrumento que deverá centralizar e articular os recursos do governo federal para a implementação das políticas públicas necessárias ao combate ao racismo, financiando e promovendo ações em parcerias com as entidades da sociedade civil no campo dos direitos humanos, do movimento negro e antirracismo.

2. Intolerância Religiosa: assegurar o pleno exercício da liberdade religiosa no país, direito constitucional inalienável dos cidadãos brasileiros. (Art. 5º-VI). Combater e punir de forma exemplar todos aqueles (indivíduos e instituições) que promoverem ou exercitarem a intolerância religiosa no Brasil, em particular contra as religiões de matriz africana, por meio de campanhas nacionais e educativas.

3. Auto de resistência: extinção do auto de resistência, um dos instrumentos mais nefastos utilizados pelo Estado brasileiro, através da força policial, nos conflitos com a sociedade, em particular contra a juventude negra e pobre do país, que tem contribuído sobremaneira para a impunidade dos crimes cometidos por policiais, e em defesa da polícia cidadã.

4. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR: assegurar a permanência deste espaço institucional, assim como dotá-lo de recursos humanos, materiais e orçamentários para que possa bem cumprir com seus objetivos de articulação de políticas públicas de promoção da igualdade racial no âmbito governamental.

5. Lei 10.639/2003 e Lei 11.645/08: fiscalizar o cumprimento da referida Lei, bem como ampliar a formação dos professores por parte do Ministério da Educação, tendo como meta a capacitação de todos os professores do ensino médio e fundamental para o ensino da História e Cultura Afro Brasileira e Indígena.

6. Cotas na Universidade: manutenção do Sistema de Cotas no Ensino Superior brasileiro e ampliação dos programas de permanência dos cotistas nas universidades. Adotar, também, ações que incentivem e garantam a participação equitativa de estudantes negros/as no programa Ciência sem Fronteiras.

7. Quilombos: dotar o INCRA das condições técnicas e dos recursos humanos necessários visando acelerar os procedimentos de elaboração dos relatórios técnicos de delimitação dos territórios remanescentes de quilombos e sua posterior titulação.

8. Juventude Negra: combate à violência contra a juventude negra por meio de programas de inclusão para o primeiro emprego, escolas de tempo integral, acesso a bens culturais e apoio a Comissão Parlamentar de Inquérito, proposto pela Senadora Lídice da Mata, da Bahia, para apurar as causas do verdadeiro extermínio de parte da juventude negra no país.

9. Mulheres negras: contribuir para a superação de todas as formas de violência institucional que atingem as mulheres negras. Além de fortalecer e ampliar a sua participação na formulação, implementação e avaliação das políticas públicas.

10.Capoeira: garantir a regulamentação do exercício da condição de Professor e Mestre de Capoeira, assegurando a inserção da capoeira nas escolas, segundo o artigo 26/A da LDB e a Lei 10.639/2003 e apoio à não subordinação da Capoeira ao Conselho Federal de Educação Física.

11.Cultura Negra: ampliar o orçamento (assumindo o compromisso de não contingenciamento) da Fundação Cultural Palmares e promover concurso público para que esta instituição tenha as condições técnicas, recursos humanos e orçamentários necessários para o cumprimento de sua missão de preservar, valorizar e difundir as manifestações culturais de origem negra no Brasil.

12. Saúde da população negra: assegurar os recursos necessários para a ampliação do Programa de Saúde da população negra, em particular a prevenção e acompanhamento das Doenças Falciformes no Brasil.

13. Intercâmbio: criação do Observatório Afro Latino e Caribenho, bem como a realização de festivais, encontros e outras atividades que intensifiquem o intercâmbio permanente de informações entre os países latino-americanos e africanos no tocante a diáspora negra, contribuindo, assim, para a troca de experiências e para o avanço da promoção da igualdade racial na América Latina e Caribe e na África.

14. Racismo ambiental: garantia de políticas públicas que garantam a sustentabilidade e combatam injustiças ambientais contra a população negra.

15. Trabalho e Diversidade: assegurar, no âmbito no serviço público federal, empresas estatais, sociedade de economias mistas controladas pela união, empresas privadas incentivadas pelo poder público federal, o respeito à diversidade étnico-racial na ocupação dos cargos e funções de direção, bem como fomentar o empreendedorismo econômico da população negra, a partir da ampliação de incentivos fiscais e linhas especiais de créditos voltadas à qualificação desse segmento.

16. Intensificar as relações econômicas do Brasil com os países africanos e caribenhos, estimulando a participação dos afrobrasileiros nos negócios por meio da cláusula de diversidade e incentivo à formação de quadros para a atuação no comercio exterior.

 


Artigos Relacionados
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados