21 de Julho de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
William Waack em entrevista a Revista Raça
23/10/2014
Secretaria da Segurança de SP discute invasão e ataques racistas à Afropress
Da Redação

S. Paulo – A chefe da Coordenação das Políticas para as Populações Negra e Indígena da Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania, professora Elisa Lucas Rodrigues, juntamente com os promotores Christiano Jorge Santos e Eduardo Santos, reuniram-se nesta quinta-feira (23/10), com o secretário adjunto da Secretaria de Segurança Pública, Antonio Carlos da Ponte (foto na capa), para pedir uma atenção especial do Estado nos casos de crimes de racismo e intolerância, praticados por meio da Internet.

A reunião foi motivada pelos mais recentes ataques racistas à Afropress e teve também a participação da advogada Juliana Ogawa, da Comissão de Combate à Intolerância da OAB/SP, de João Paulo Schwandner, da assessoria técnica do gabinete da Secretaria da Justiça, e do advogado Dojival Vieira, editor da Agência de Notícias – a única no Brasil com produção de conteúdo jornalístico focado na temática étnicorracial.

A mais recente onda de ataques e invasão aconteceu no último dia 14/10 e o caso está sendo apurado pela Polícia de S. Paulo. O Adjunto prometeu fazer os esforços que forem necessários para identificar e entregar a Justiça para que sejam punidos na forma da lei os responsáveis pelos ataques racistas.

Propostas

Na reunião foram definidas propostas como a designação de um técnico com especialização em Tecnologia da Informação (TI) para atuar junto à Delegacia de Crimes Raciais (DECRADI) com o objetivo de atender os casos de racismo, intolerância e discriminação, além da capacitação dos agentes da Polícia nas Delegacias para atender esse tipo de ocorrência cada vez mais frequente. 

A coordenadora de Políticas para as Populações Negra e Indígena, Elisa Lucas, considerou a reunião produtiva. “Além do caso do crime de racismo, por meio eletrônico ampliamos a pauta ao falar da necessidade de profissionais capacitados na questão eletrônica dentro da Delegacia. Quem trabalha no combate à discriminação racial não tem o direito de desistir", afirmou.

O advogado e jornalista responsável pela Afropress, Dojival Vieira, expôs ao adjunto toda a trajetória de ataques e invasões que vem sendo sofridos pela Agência de Notícias desde 2006 e pediu que o Estado dê respostas à altura e utilize o aparato repressivo disponível – inclusive com o uso da inteligência – para identificar e desmantelar os grupos que ele chama de praticantes do “racismo extremado”. “O que estamos assistindo é uma escalada de ataques inadmissíveis num Estado Democrático de Direito”, afirmou, lembrando que só este ano, de acordo com estatísticas, há um aumento em torno de 84% dos crimes relacionados a racismo e intolerância na Rede Mundial de Computadores.


Artigos Relacionados
Tribunal de Justiça de SP absolve acusados no caso Januário
Fernandinho vira alvo de racistas pela derrota para Bélgica
Presidente da UGT abre Oficina de Formação com perspectiva de gênero e raça
Novo governador de SP cancela campanha contra o racismo
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados