4 de Abril de 2020 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
28/02/2016
De férias em Nova York, Jefferson De anuncia comédia com Lázaro Ramos e Hélio de La Peña
Da Redação, com informações de Edson Cadette, correspondente de Afropress em Nova York.

New York/EUA – O cineasta Jefferson De, diretor de filmes como “Broder” e “O Amuleto”, começa a rodar neste segundo semestre, uma comédia com os atores Lázaro Ramos e o humorista Hélio de La Peña, ex Casseta & Planeta. O filme, ainda não tem título definitivo, mas deve se chamar “Correndo Atrás”, e tem como pano de fundo o futebol.

O próximo grande projeto do diretor será filmar a vida do abolicionista Luiz Gama. Ele pretende também fazer um documentário sobre o caso do vigilante Januário Alves de Santana, torturado numa loja de um supermercado de S. Paulo, suspeito, por ser negro, do roubo do próprio carro. O caso aconteceu em agosto de 2009.

Correndo atrás

A comédia gira em torno da história de um empresário que se torna agente de um jovem jogador da periferia. O roteiro tem como base o livro “Vai na Bola”, de La Peña, e o filme terá tomadas em S. Paulo e na Flórida, nos EUA.

De passagem por New York, onde passa férias com a família, o cineasta tomou café da manhã no restaurante francês Le Pain Quotidien, que fica na rua 21 com a rua Broadway, em Manhattan com o correspondente de Afropress, Edson Cadette. O diretor estava acompanhado de sua mulher, Cristiane Arenas, e da filhinha Isadora, de 4 anos.

Na última quinta-feira (25/02), também acompanhado por Cadette, o diretor almoçou com o presidente do Sindicato dos Atores de New York, Mike Hodge, no restaurante PJ Clark’s, ao lado do Lincoln Center.

Polêmica

Jefferson De comentou a polêmica lançada por Spike Lee sobre a ausência de negros, este ano, na indicação do Oscar. O diretor lembrou o caso dos filmes “Straight Out of Compton”, “Creed” e “Concussion”, que, segundo ele, mereciam o prêmio, e "foram esnobados pela Academia". Para o diretor, Hollywood ainda mantém uma idéia romantizada do país que não existe mais.

Segundo Jefferson apesar do prêmio representar a poderosa indústria cinematográfica norte americana, a falta de diversidade em Hollywood tornou-se um problema seríssimo num país que se julga altamente diversificado onde metade de sua populaçāo é constituída por negros e latinos.

Ele, no entanto, considera que não é possível comparar a situação dos EUA com o Brasil, "porque no Brasil sequer começou a discussão sobre quem são e quais as histórias da metade da população brasileira, da mesma maneira que os norte-americanos fazem, em geral com filmes como Selma, Malcolm X, The Help, The Buttler, entre outros".

“Não há como fazer um paralelo simplesmente porque o Brasil não iniciou o debate da invisibilidade negra e suas diferentes histórias", afirmou.

Luiz Gama

O diretor anunciou que, após a comédia comédia com Lázaro e De la Peña, fará filme sobre a história do advogado abolicionista Luiz Gama.

Um outro projeto que pretende levar adiante será um documentário lembrando o caso do vigilante da USP, Januário Alves de Santana, torturado por seguranças num hipermercado de S. Paulo, suspeito do roubo do próprio carro. O caso aconteceu em agosto de 2009.

Os agressores do vigilante, acusados por tortura, foram absolvidos pela 2ª Vara Criminal de Osasco, porém o Ministério Público recorreu e o caso aguarda julgamento pelo Tribunal de Justiça de S. Paulo.


Artigos Relacionados
"Correndo Atrás", de Jefferson De, é sucesso no Festival de Cinema do Rio
Mantiqueira discute literatura e racismo neste final de semana na FLIMA 2018
Fotógrafo Luiz Moreira faz sua primeira individual em São Paulo
Tia Má solta a língua em show em S. Paulo
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados