22 de Outubro de 2017 |
Última atualização :
Comentamos
IV Conferência Regional de Igualdade Racial da Região Metropolitana da Baixada Santista
Mais vistos
15/01/2017
Para ter cota na BA, negro tem de se afirmar "minoria social"
Dojival Vieira

É advogado, jornalista e editor de Afropress

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) acaba de criar um sistema de cotas no mestrado e no doutorado, juntando negros e pardos, quilombolas, indígenas, pessoas com necessidades especiais e trans (transgêneros, transexuais e travestis), em todos os cursos de pós-graduação.

A resolução reserva 30% das vagas e começa a valer a partir do segundo mestre deste ano, em todos os cursos. A cada 10 vagas em um edital, três serão para negros. Será criada uma décima primeira para indígena, uma décima segunda para quilombola, e assim por diante, conforme explica o coordenador de ensino de pós-graduação Ronaldo Lopes Oliveira.

Há uma exigência, contudo, que desmascara as boas intenções da iniciativa. Para concorrer o candidato deve preencher um formulário em que se auto-afirma pertencente a uma “minoria social”.

Ora, a Bahia é o Estado que tem o segundo maior número de pessoas autodeclaradas pretas e pardas – 76,3% -, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Censo demográfico de 2010. Mesmo ficando atrás do Pará – 76,7% - é o Estado com o maior número de pessoas que se autodeclaram pretas (17,1%); pardos representam 59,2%, de acordo com o mesmo levantamento.

Sem entrar no mérito do debate sobre se cotas na pós-graduação é defensável do ponto de vista de uma política afirmativa e de defesa de direitos, exigir que negros na Bahia se autodeclarem “minoria social” para ter acesso ao direito, além de soar como ironia cruel, é uma cilada para que continuem exercendo o papel de símbolos de uma “inclusão para inglês vê”. Esse tipo de “inclusão”, todos sabemos, quando acontece é reservada apenas aqueles que – por ausência de auto-estima, ignorância política e ou ideológica, oportunismo, ou por todas as alternativas citadas acima - aceitam essa espécie de inclusão pela janela.

O mais lamentável é ver as mesmas lamentáveis figuras que se autoproclamam lideranças do movimento negro brasileiro, saudarem esse tipo de medida como um “avanço”, “diminuição do enorme abismo social” e outras bobagens do gênero.

A medida da UFBA para além das boas intenções – e a calçada do inferno está cheia de bem intencionados – é apenas uma cilada para atender a demandas de um tipo de militante que está mais para lobista do que ativista de uma causa social e que aceita comodamente o papel de ser – para sempre e eternamente – símbolo dessa inclusão farsesca, em troca de títulos para engordar o currículo na academia.

Esse tipo de militante, como o provou os 14 anos de governos do PT e a inutilidade prática dos lobbies que defendem para si cotas na pós-graduação nas universidades - é extremamente útil à manutenção e preservação do sistema racista no Brasil.  


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
Lupicínio Rodrigues (1914 - 1974): compositor, boêmio e cronista.
Na boca do lobo
Racismo: acusação histórica em Portugal
Um comentário sobre o filme “Daughters Of The Dust”
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados