22 de Março de 2017 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Conheça Rosa Parks, a costureira que disse "Não" e desencadeou uma revolução
14/02/2017
Ausência de negros no Judiciário escancara desigualdade social
Da Redação, com informações da Folha e da EBC

S. Paulo – A recente polêmica sobre quem teria sido a primeira juíza negra do Brasil, título assumido pela atual ministra dos Direitos Humanos, desembargadora baiana, Luislinda Valois (foto abaixo), encobriu a presença pouco expressiva de negros também no Judiciário.

Segundo censo promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em 2014, mas que permanece atual, juízes negros representam apenas 15,4% do total de 16.812 magistrados brasileiros (1,4% pretos e 14% pardos).

Os juízes que se autodeclaram indígenas são 0,1%. Os brancos superam os dois terços: 84,5%. Os negros brasileiros (pretos e pardos) representam 50,7% da população, de acordo com o Censo do IBGE  2010.

A mais recente Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio também do IBGE mostra que esse número chega a 53% do total da população.

Presença desproporcional 

Nas mais recentes eleições gerais realizadas em 2014, dos 1.627 candidatos eleitos, 1.229 se declararam brancos (76%); os autodeclarados pardos foram 342, os pretos 51. os amarelos, três, e os indígenas, dois, segundo levantamento feito pela Revista Congresso em Foco, com base em informações do Tribunal Superior Eleitoral.

Entre os 27 governadores eleitos, de acordo com o mesmo levantamento, 20 se declaram brancos, nenhum se assume preto ou indígena. No Congresso, de cada 100 parlamentares, 80 se autodeclaram brancos. Dos 540 congressistas, 81 deputados e cinco senadores se declaram pardos e apenas 22 na Câmara se assumem como pretos. No Senado, se assumem como negros apenas dois senadores: Paulo Paim (PT/RS) e Magno Malta (PR-ES).

Pioneirismo contestado

No caso do pioneirismo das mulheres negras no Judiciário, o título de primeira magistrada é reivindicado por Mary de Aguiar Silva, atualmente com 91 anos, que foi nomeada juíza em 1.962. A magistrada com 91 anos e problemas de saúde, está tendo sua biografia escrita pela advogada e sua sobrinha Sheila Aguiar, 55 anos.

O pioneirismo de Luislinda é questionado desde 2010, quando o Tribunal de Justiça da Bahia realizou sessão solene para homenagear as magistradas baianas e a atual ministra foi listada como a terceira. Antes exerceram a magistratura, além de Mary, Alexandrina de Almeida Santos, morta em 2009, que assumiu suas funções em 1.967.

 


Artigos Relacionados
Quase oito anos depois, Januário espera por Justiça
Mato Grosso do Sul terá primeira Delegacia para punir racismo
Evento na Unesp celebra Dia Internacional contra a Discriminação Racial
Ativistas lançam campanha "Justiça por João Victor" e boicote a rede Habib's
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados