29 de Junho de 2017 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Benedita da Silva denuncia declarações racistas/nazistas de Jair Bolsonaro em clube judaico
16/03/2017
Agonias em avalanche
Adelina Braglia

É Coordenadora na empresa Nucleo de Apoio aos Povos Indígenas, Comunidades Negras e Remanescentes de Quilombos - Governo do Estado do Pará.

A voz do Ministro Gilmar Mendes, estilo “por-que-puseram-uma-batata-quente-na-minha-boca-logo-agora-que-estou-falando”, condiz com seu jeitão de “menino pimbudo” e emoldura a tranquila desfaçatez com que ele dá entrevistas com a segurança de que defende intransigentemente a Constituição e a lei. Sempre que ele está finalizando uma fala, fico esperando que ele termine me chamando de imbecil.

Triste é saber que ele não é nosso único exemplar público de cafajeste de luxo. Com ele concorre fortemente Renan Calheiros, por exemplo, assim como Aloísio Mercadante, de tristíssima memória. Se aquele não expõe que é ideologicamente preparado para ser o que é – canalha - este fazia de conta que era um bom rapaz. Enojantes. Os dois. Os três.

Porém, vamos ao que interessa: ouvi hoje o Ricardo Boechat quase ensandecido, falando sobre a “lista fechada”, dando um alerta para seu real significado.

Em lista fechada, o eleitor vota no partido, né, – coisa belíssima, como princípio sueco e não, nacional - e, garantidas as vagas, o partido definirá quem serão os “nossos” representantes.

Talvez Gilmar Mendes – defensor ardoroso dessa proposta na novíssima “reforma política” – definisse isso como caixa 2 simples. Eu discordo. Isso é um perigoso caixa 2 composto, pois da canalha que hoje nos representa, muitos não têm chance de retornar ao parlamento em 2018, salvo se votarmos “no partido” e aí o partido escolhe quem vai nos representar. Aritmética elementar: 100 mil votos de trouxas, uma vaga no senado e lá vai um Romero Jucá esperto!

Caraca! Aqui no Brésil, nem a máxima do “a cada dia, a sua agonia” está valendo mais. O que prevalece é “a cada dia, agonias em avalanche....”.


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
Um comentário sobre o filme “Daughters Of The Dust”
Sujeitos da história ou peças de marketing?
Entre mim e o mundo
1.888: a Abolição foi feita! E agora...
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados