12 de Dezembro de 2017 |
Última atualização :
Comentamos
Racismo: causas e consequências - palestra na Câmara Municipal de Botucatu - S. Paulo
18/06/2017
Um comentário sobre o filme “Daughters Of The Dust”
Sergio São Bernardo

Professor da Uneb; Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor - OAB-BA; Membro do Instituto Pedra de Raio

Próximo à costa norte da Carolina do Sul, na América do Norte, aquela cultura que muito se parece com o que vivemos na costa sul da América do Sul, vivem as comunidades Gullah.

Em uma das ilhas marítimas, chamada Dataw, vivem “As Filhas da Poeira”. Seus ídolos e imagens, vivas e mortas, adormecem no grande rio! Nos idos de 1902, três gerações de negras mulheres nos ensinam, pela voz, sobre quem vai nascer para os vivos da terra e os vivos de todo o céu.

No filme, as cenas parecem se repetir como na vida. Dizem que é preciso evitar o fluxo migratório para o norte. O ambiente é de uma brancura tão negra quanto as cores dos corpos dos personagens. Aqueles camarões com quiabos! Aquela música cantada como se a espiritualidade mística fosse mais profunda do que a aparente lição muçulmana e cristã de viver nas nuvens brancas que se confundem com os longos vestidos que vestem!

A trama persegue o sentido da ancestralidade e da dúvida sobre o que virá! Um inadiável futuro os espera no continente. O filme é denunciador de tantos mistérios que não cabem em livros e memórias! Os valores dos Gullah são flexíveis e firmes ao tempo, como se vivessem num mundo próprio para continuarem vivos! Isso exige uma imortalidade da alma guardada por tempos e lugares!

Só os seus estranhos hábitos vencem a impermanência do tempo de poeira que deslizam nas distintas roupas brancas que cobrem todos os seus corpos! Este é o tema dos negros que vieram para a América: As lembranças e costumes que dilaceram os grandes cachos que ornamentam cabeças de homens e mulheres das Ilhas Gullah.

Essa autêntica narrativa é tão real e sincera quanto os modos de resolverem seus conflitos. Tudo é restauração e reconciliação para as negras e negros das ilhas marítimas do Sul. A insistência é a de que o tempo e a voz, que não falam tudo, valham mais que papel pintado para resolver demandas de justiça! A sensação de namorar o tempo entorpece um ar de inveja para quem vê e tédio para quem vive, e vice-versa. Quem vai, quem fica, já não interessa. Quem foi para o mundo do Norte não está feliz e quem ficou não está triste. Mas ir é o que esperam frente à expectativa do que sempre vem!

Este mundo de mulheres e homens que vieram dos Igbos da África Ocidental refizeram parte do que é América do Norte hoje! Cora Lee Day é uma deusa da lama da ilha de tantas tranças e fios! "O antepassado e o útero são um e o mesmo". Nana é a morta viva que controla o que foi e o que será! Viola sabe do duplo, mas quer conquistar uma nova era para seu povo! Que magnífica Cherry Lynn Bruce! A Filadélfia e o seu fotógrafo não sabem mais que as fotos que refletem belezas opacas!

E aquela Mary Peazant, hein? Sabendo dialogar por entre mundos sem a moral de um e de outro.Tão bela está Bárbara-O e a sua amante, a enigmática Trula! Que mistério substancioso o de Trula Hoosier! A prostituição, o estupro, os desejos, a traição e o linchamento são da ordem do silêncio que grita abertamente! Alva Rogers interpreta uma Eula, Ewa de sentença e barriga fortes! Leva no ventre a contadora dessa história que oras é a matriarca oras é a voz lírica e profética de Kai-Linn Warren, que só nasce no final do filme! Eli, o marido, não suporta mais que a dor da luta que trava com seus irmãos.

Ah, aquela luta coreografada com os dedos e com golpes de surpresa histérica lembra o jogo de tantas perguntas e tantas respostas que usamos através do corpo para inquirir e desvendar o que não sabemos lidar! Iona decide pelo amor e pela coragem e fica no passado segurando o desatino da viagem de toda família.

Que poderosa esta Bahni Turpin que permanece ao final, na ilha, com seu Cherokee. O mundo árabe se revela como um mundo também estranho para eles. Só o branco predomina por entre águas e céus nublados e cinza que confundem com a mágica sagrada da ancestralidade que parece mais fortes que a religião fundada! Bilal (Umar Abdurrahman) um griot da jihad sabe que nada pode ficar impune. Compreende que a memória e o luto carregam o dom da vingança!

Naquele misto de dança de mundo e dança de morte, elas dançam e jogam como se a vida fosse sempre um ritual que merece ser celebrada! Julie Dash, a diretora, percorre caminhos estreitos da iluminura do ser para fazer um filme densamente sútil e melancolicamente belo! Antes de mais nada, o filme, é um poema de como lembranças se instalam em nossos corpos e como temos modos distintos de conviver com estas marcas!

Esse futuro reserva esperanças e rupturas! Nanã Peazant não deixará que nada aconteça sem fios que se liguem! Por isso, antes da partida, põe uma mecha de seu cabelo por sobre a Bíblia que anuncia uma fé mitigada dos cristãos da ilha! Agora, depois de tanto tempo - 26 anos - precisou uma Netflix trazer para nossos olhos, amarrotados de coisas rasas, uma ficção super-real e multilinear como gostamos que seja a vida para nós dos trópicos de baixo! O filme Daughters Of The Dust, de Julie D


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
Como encontrei a minha identidade
William Waack é nosso doloroso espelho branco!
Clã da Negritude!
Vergonha na cara
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados