21 de Julho de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
William Waack em entrevista a Revista Raça
04/07/2017
USP se rende às cotas e se abre para negros e índios na Medicina
Da Redação

S. Paulo – A Faculdade de Medicina da Universidade de S. Paulo (USP) adotará, pela primeira vez nos seus 100 anos de histórica, uma parte das vagas para pretos pardos e indígenas.

A Medicina da USP é considerada a Faculdade de maior prestígio no país. A Universidade vem sendo considerada, nos últimos anos, a instituição mais resistente a adoção da política de cotas para pretos, pardos e indígenas.

Os estudantes da Medicina da Universidade sempre entraram por meio dos vestibulares da Fuvest, que é considerado o mais concorrido do país, o que acaba privilegiando os filhos da classe média branca, em lsituação econômica privilegiada em relação a maioria da população.

Decisão histórica

A decisão histórica foi tomada pela Congregação, instância máxima da Medicina. Na prática, será adotado na seleção de estudantes o critério do Sisu, Sistema de Seleção Unificada, que usa notas do Enem para selecionar estudantes. Como parte dessa seleção será reservada cota para negros, pardos e indígenas.

A proposta aprovada prevê que das 175 vagas oferecidas, 125 continuarão sendo selecionadas pela Fuvest. As outras 50 serão preenchidas pelas melhores notas do Sisu. Dessas 50, 15 serão destinadas a estudantes de escolas públicas que se autodeclararem pretos, pardos e indígenas, o que significa que em 2018, 8,6% do total de vagas serão destinadas para as cotas.

 


Artigos Relacionados
Tribunal de Justiça de SP absolve acusados no caso Januário
Fernandinho vira alvo de racistas pela derrota para Bélgica
Presidente da UGT abre Oficina de Formação com perspectiva de gênero e raça
Novo governador de SP cancela campanha contra o racismo
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados