26 de Julho de 2017 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Florestan Fernandes: mito da democracia racial, raça e classe
09/07/2017
Unesco declara Cais do Valongo patrimônio da humanidade
Da Redação, com informações das Agências

Rio – O Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), declarou neste domingo (09/07), em Cracóvia, na Polônia, o Cais do Valongo, no Rio, como Patrimônio Cultural da Humanidade. A organização reconhece 20 patrimônios culturais e naturais no Brasil.

Com a decisão, o Cais do Valongo passa a figurar no mesmo patamar da cidade de Hiroshima, no Japão, e do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, classificados como locais de memória e sofrimento. Marco da herança africana no Rio de Janeiro e inaugurado em 1.811, o Cais foi principal ponto de desembarque de escravos africanos nas três Américas. 

O Brasil foi o país que mais recebeu escravos seqüestrados do continente africano – cerca de quatro milhões em mais de 300 anos, o correspondente a 40% de todos os africanos que chegaram vivos nas Américas entre os séculos XVI e XIX. Deste total, estima-se que 60% entraram pelo Rio de Janeiro, sendo que cerca de um milhão deles pelo Cais do Valongo. Em 1911, o Cais foi aterrado e redescoberto 100 anos depois, durante as obras para a Olimpíada do Rio.

Arqueólogos do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), órgão vinculado à SMUIH e presidido por Augusto Ivan, estão fazendo o levantamento dos, aproximadamente, 500 mil itens que foram encontrados nos locais durante as intervenções. As peças, que incluem adornos, objetos, amuletos e ossadas, estão na Vila Olímpica da Gamboa.

Tráfico negreiro

O Sítio Arqueológico do Cais do Valongo é considerado o mais importante vestígio material, fora da África, do tráfico atlântico de africanos escravizados, expressando material e simbolicamente um local que representa um registro da ação criminosa contra a humanidade.

O Cais do Valongo agora está no mesmo patamar da cidade de Hiroshima, no Japão, e do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, classificados como locais de memória e sofrimento.

 


Artigos Relacionados
Advogado negro é barrado em casa noturna de Curitiba
USP se rende às cotas e se abre para negros e índios na Medicina
Jundiaí celebrará esta semana os 15 anos da Lei de cotas
Elisa quer ampliar diálogo entre a Policia Militar e os negros
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados