17 de Setembro de 2019 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
17/09/2017
Rio faz caminhada para dizer "Não" à intolerância religiosa
Da Redação, com informações da EBC

Rio – A onda de intolerância às religiões de matriz afro-brasileiras teve neste domingo (17/09), uma primeira resposta em um ato que reuniu milhares de pessoas na Praia de Copacabana, zona sul do Rio. A manifestação organizada pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa e Centro de Articulação de Populações Marginalizadas reuniu adeptos da umbanda e do candomblé, mas também representantes de igrejas cristães, da comunidade judaica e outras religiões, tais como, Baha'i, wicca, kardecista, budista e Hare Krishna.

A intolerância contra as religiões de matriz afro-brasileira vem crescendo, incentivada por denominações neo-pentescostais fundamentalistas. A pastora luterana Lusmarina Campos Aguiar, que representou no ato, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, atitude de cristãos que agridem ou ameaçam outras religiões não é cristã. “Essa não é a perspectiva de Cristo. Não é a perspectiva dos evangelhos. Jesus diz que temos que aprender a amar uns aos outros. A lei maior do Cristo é a lei do amor”, lembrou a pastora.

Violência religiosa

A Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa acontece há 17 anos, no Rio. A edição deste ano aconteceu dias depois da divulgação de vídeos em que criminosos, supostamente cristãos, ameaçam lideranças de religiões afro-brasileiras.

Nestes vídeos, criminosos aparecem obrigando adeptos do candomblé, a destruir seus terreiros em comunidades da periferia carioca, ameaçando de morte seus praticantes.

O babalawô Ivanir dos Santos denunciou a omissão das autoridades e lembrou que a primeira Caminhada, em 2008, foi realizada justamente por causa de um episódio em que traficantes evangélicos ameaçavam os terreiros em favelas controladas por eles.

“Nesse período, o que houve foi uma omissão [das autoridades]. Não houve nenhuma investigação para prender os responsáveis. Mas o importante é que a manifestação traz muita indignação, mas estamos pedindo paz. Somos um povo de paz, apesar de sermos agredidos nas ruas, nossas casas serem queimadas, nosso sagrado ser destruído, tudo o que pedimos é paz”, destacou.

O secretário nacional de Políticas de Igualdade Racial, Juvenal Araújo, informou que o governo federal está acompanhando de perto os desdobramentos desses recentes casos de intolerância religiosa.

Ele disse ter se reunido na última sexta-feira (15), com o procurador-geral de Justiça do Rio, José Eduardo Gussem, e com representantes das secretarias estaduais de Segurança e Direitos Humanos para discutir ações para coibir a intolerância religiosa.


Artigos Relacionados
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Ativista negra se declara presa política e acusa justiça seletiva
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados