20 de Novembro de 2017 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Nós somos a cara do Brasil
22/10/2017
Brasileira brilha no Dance Theater of Harlem
Edson Cadette é correspondente de Afropress em Nova York

Nova York/EUA – A carioca Ingrid Silva chegou a  Nova York com apenas 18 anos. Desde os 20 faz parte de uma das companhias de dança mais reconhecidas dos EUA, a The Dance Theater of Harlem.  

Sem ter em que se inspirar, buscou no apoio de sua famlia e seus professores na comunidade onde cresceu forcas para enfrentar e vencer os obstáculos.

Em 2007 com o apoio de professores participou de uma audição (com um video) para treinar no “Dance Theater”.  Um ano depois mudou-se para Nova York.  Era a primeira vez que colocava os pés fora do Brasil.

Sua técnica estava tão aperfeiçoada que, em apenas dois meses treinando, foi convidada pelo fundador da Companhia , Arthur Mitchel, para fazer parte do grupo.  Ingrid Silva atribui seu sucesso aos duros ensaios diários e em ter uma vida normal fora da dança.

Quando não está dançando ou ensaiando gosta de sair com o marido, cozinhar comida brasileira, e ir ao cinema.  Recentemente concedeu uma entrevista via email ao correspondente da Afropress em Nova York.

Afropress -  Há quantos anos você está na Cia de Dança Dance Theater of Harlem?

Ingrid Silva - Eu estou no Dance Theatre of Harlem desde 2008.

Afropress -  Quais foram seus principais desafios ao chegar a cidade de Nova York?

IS - Meu primeiro desafio profissional foi conseguir uma oportunidade dentro de uma companhia de prestígio. Além disso, tive que aprender inglês e conviver com frio do inverno, algo que era desconhecido pra mim até então.

Afropress -  Fale um pouco da sua rotina como dançarina. Quantas horas por dia você pratica?

IS - Minha rotina é bem simples. Acordo todos os dias às 9h, tenho aulas de ballet a patir das 10h, com duração média de 1h30. Depois disso temos ensaios até o final da tarde; são, ao todo, 7 horas diárias de trabalho pesado.

Afropress -  Quando você não está se apresentando em Nova York, ou em algum outro lugar, o que você mais gosta de fazer?

IS - Geralmente procuro cuidar de mim, ir ao parque, ler livros, encontrar os amigos. Curto muito os momentos com a minha família e minha cachorrinha, uma frenchie bulldog chamada Frida.

Afropress -  Quais são seus lugares preferidos na cidade?

IS - Amo o Central Park, o Highline, o bairro de Williamsburg, no Brooklyn. Gosto muito de estar sempre explorando coisas novas na cidade.

Afropress -  Você saiu de um comunidade no Rio de Janeiro e hoje dança nos grandes palcos do mundo. Qual conselho você daria para uma jovem ou jovem iniciante?

IS - Nunca desista dos seus sonhos, sempre siga em frente, amando o que você faz. Acredite em si mesmo!

Afropress -  Quais são os seus planos para o futuro? Continuar morando em Nova York depois de parar de dançar ou regressar para o Rio de Janeiro?

IS - Não sei aonde irei estar morando no futuro, mas gostaria de, quem sabe, me tornar uma life coach e ajudar outras pessoas através da inspiração.

 


Artigos Relacionados
Jojó de Olivença e a força transformadora do surf
Coordenador do ILABANTU está em Angola para estreitar relações com África
Experiência na delegação afro-brasileira na Conferência das Humanidades
Conversa Literária em Nova York: Teatro negro brasileiro em perspectiva.
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados