21 de Julho de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
William Waack em entrevista a Revista Raça
04/07/2018
Novo governador de SP cancela campanha contra o racismo
Da Redação

S. Paulo – O novo governador de S. Paulo, Márcio França, do PSB, cancelou, sem nenhuma explicação, a única campanha contra o racismo mantida por um órgão público no Brasil – a campanha S. Paulo contra o Racismo, que era mantida pelo Governo de S. Paulo há quatro anos. França é candidato à reeleição.

As peças publicitárias confeccionadas pela Agência Mood/TBWA, que presta serviços à Casa Civil do Governo do Estado, eram veiculadas por veículos da mídia alternativa focada no tema do combate ao racismo, entre os quais, a Afropress – Agência Afroétnica de Notícias - e o Portal Áfricas, que tem sede em Araraquara.

Dois outros veículos do interior também mantinham no ar em seus sites - Limite Zero e o Vista minha Pele -, as peças da campanha, que foi lançada pelo próprio governador Geraldo Alckmin no Palácio dos Bandeirantes com a presença de grandes astros do futebol paulista de diferentes épocas, como Basílio e Wladmir, (Corinthians), Lima e Mengálvio (Santos), César Maluco (Palmeiras) e Oscar (S. Paulo).

Além de ser a única campanha contra o racismo mantida por um órgão público no país, o patrocínio do Governo do Estado, ajudava a manter no ar, sites que há anos se dedicam de forma voluntária a denúncia e ao combate ao racismo, e que são mantidos graças a contribuição e ao trabalho voluntário de colaboradores. Juntos os veículos atingem cerca de meio milhão de pessoas por mês, especialmente, educadores, ativistas, lideranças de religiões de matriz africana e militantes do movimento social negro.

Para o editor executivo do Portal Áfricas, Washington Andrade, a decisão de França representa um retrocesso na luta contra o racismoCancelar um projeto de três anos, reconhecido no Brasil e que pode ajudar no aprimoramento da mídia negra, de uma maneira desrespeitosa e sem justifica, é muito grave“, afirmou. Segundo Andrade, isso revela a visão do novo governo para as ações de igualdade racial em S. Paulo.

O jornalista Dojival Vieira, editor de Afropress, disse que Márcio França, já como candidato se coloca na contramão de uma tendência que, a partir de S. Paulo, estava ganhando força no país, iniciada pelo governador Geraldo Alckmin - a ação e o envolvimento dos governos, na sustentação de políticas públicas de denúncia do racismo.

Desde a edição da Lei 14.187/2010, a única no país que pune os crimes de racismo na esfera administrativa que o governo de S. Paulo vinha se mostrando sensível as demandas de políticas públicas inclusivas e antirracismo.

Falta de respeito e insensibilidade

O editor de Afropress também considerou desrespeitosa a forma como a campanha foi cancelada pelo novo governador, que deixou de ser vice em abril para assumir em lugar de Alckmin, candidato tucano a presidência da República.

Primeiro, nos chamaram para reuniões com os responsáveis da subsecretaria de Comunicação do Palácio dos Bandeirantes. Ouviram as nossas demandas, que eram exatamente no sentido não só da importância da campanha, mas da sua ampliação. Prometeram que na semana seguinte nos dariam uma posição, e o que tivemos foi a comunicação da Agência de que a campanha havia sido interrompida, sem explicações“, afirmou.

Desde então, os veículos que sustentavam no ar a campanha S. Paulo contra o Racismo, tentam, sem sucesso, contato com o subsecretário de Comunicação Clóvis Vasconcelos, que não apenas não responde, mas, simplesmente, não atende, nem dá retorno às mensagens deixadas na sua caixa postal.

Segundo o editor de Afropress, chama atenção que, além do retrocesso com o cancelamento da campanha, Márcio França demonstra uma total insensibilidade em relação aos problemas que afetam a 34,6% da população paulista que é preta e parda. S. Paulo tem a maior população negra do país, em números absolutos, cerca de 16 milhões de afro-brasileiros.

Ora, se como candidato, é esta a postura de França, o que a comunidade negra de S. Paulo pode esperar, se porventura vier a ser eleito?“, questiona o jornalista.

 


Artigos Relacionados
Tribunal de Justiça de SP absolve acusados no caso Januário
Fernandinho vira alvo de racistas pela derrota para Bélgica
Presidente da UGT abre Oficina de Formação com perspectiva de gênero e raça
França exonera chefe da coordenação negra, aliada de Alckmin
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados