14 de Dezembro de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
Manifestações em todo o país pelo Dia da Consciência Negra
09/08/2018
“Nosso cadinho cultural”, o racismo exposto pelas vísceras
Zulu Araújo

Ê arquiteto, presidente da Fundação Pedro Calmon-BA. Foi presidente da Fundação Cultural Palmares

Nada melhor que o brilho da democracia para iluminar as trevas do autoritarismo e racismo que ainda se fazem presentes na sociedade brasileira. Refiro-me as declarações feitas pelo candidato a vice-presidente da República – General Hamilton Mourão, que em palestra no Rio Grande do Sul, esta semana, afirmou que o “complexo de vira lata” do povo brasileiro, decorre “de uma certa indolência, que vem da cultura indígena...” e da malandragem. “Nada contra, mas a malandragem é oriunda do africano”. Arrematando de maneira enfática: “Então, esse é o nosso cadinho cultural”.

Importante frisar que estas afirmações não foram feitas por um brasileiro qualquer, desinformado ou vítima da péssima qualidade educacional a que a maioria dos brasileiros estão submetidos. Não, essa declaração é de um oficial da reserva das forças armadas brasileiras, que é filho de um general, cursou a Academia Militar das Agulhas Negras, fez curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exercito brasileiro e ocupou cargos relevantes no Brasil e no Exterior em sua vida profissional.

 

Portanto, é pessoa preparada e consciente das suas posições e afirmações. Digo isto, pois é necessário urgentemente que os democratas e progressistas do nosso país entendam de uma vez por todas que uma parcela da nossa população é racista, autoritária e xenófoba e que tem nas candidaturas do capitão Bolsonaro e do General Mourão, sua expressão e representatividade política, mais explícita.

O que me assusta não é o vitupério do General Mourão contra os negros e indígenas, mas o número de adeptos que essas ideias possuem. São quase 20% da população brasileira, ou seja, são quase 40 milhões de pessoas que acreditam e defendem a intervenção militar, que odeiam os negros e indígenas, que são misóginos (odeiam as mulheres e os seus direitos), que são homofóbicos e que acreditam que a solução para a crise política brasileira é matar, matar e matar.

Vejo a declaração do General, muito mais como um alerta aos democratas brasileiros sobre a necessidade de continuarmos com as políticas de ações afirmativas, (pois o racismo e a xenofobia estão mais do que presentes em nossa sociedade), do que como algo estranho ao país. Não nos esqueçamos que este país quase exterminou a população indígena (em nome do progresso e da civilização) e escravizou mais de 5 milhões de africanos, (ao longo de 400 anos) e foi o último país do mundo a acabar com a escravidão.

Para a comunidade negra e seus aliados mais diretos, a fala do General precisa ser entendida como um sinal de alerta de que não há nada consolidado na democracia brasileira, nem mesmo o sentido civilizatório da nossa existência. Nossos aliados políticos, precisam compreender de uma vez por todas que política de ação afirmativa tantas vezes defendidas por mim aqui nesse espaço democrático que é a revista RAÇA não é “mi mi mi”, nem muito menos privilégio e que democracia não se faz apenas com discurso e retórica. Neste sentido, participar das eleições que se avizinham e fazer valer as nossas propostas de combate ao racismo e promoção da igualdade, bem como ampliar o espaço da presença negra na política brasileira é fundamental. Digo mais, a responsabilidade no combate ao racismo não é só nossa (negros), é de todos aqueles que acreditam no ser humano e na democracia enquanto forma política de administrar conflitos, seja ele de que coloração for.

Enfim, para além da indignação que a fala do General causou e da justa indignação que variados setores da sociedade brasileira expressou, é necessário um pouco mais - Dar sequência as políticas de combate ao racismo e a promoção da igualdade em nosso país, pois do contrário, não apenas os negros e indígenas serão vitimas dessas teses retrogradas e colonialistas, mas toda a sociedade brasileira.

Toca a zabumba que a terra é nossa!

 


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
A colagem de Arya Haliba
O empreendedor Barão de Mauá (1.813-1889)
A generalização como recurso de linguagem e porta para a injustiça
"A Democracia está em risco, acordem!"
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados