23 de Outubro de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
Conceição Vercesi, de Botucatu, fala sobre Diversidade
09/08/2018
Derrubar uma candidatura ao Senado construída nos terreiros do Brasil, interessa a quem?
Babalawo Marcio Alexandre Obeate Ifairawo

É jornalista e militante do movimento negro e contra a intolerância religiosa

No final da noite de ontem fomos surpreendidos pela notícia de que a candidatura do Ogan Marcelo Monteiro ao Senado Federal pela coligação “A Força que vem do Povo” (PODE, REDE, PR e PPL) foi politicamente negociada para privilegiar interesses escusos. Apesar de não encontrar uma explicação plausível, gostaríamos de salientar que, numa jogada autoritária, o também candidato ao senado Miro Teixeira – de olho nos currais eleitorais das igrejas, que podem elegê-lo com folga? – impediu que o Ogan Marcelo pleiteasse sua candidatura para disputar uma das vagas ao Senado nas próximas eleições. A pré-candidatura ao Senado havia sido deferida pelo Partido Pátria Livre este ano, e vinha crescendo em todas as regiões do Estado do Rio de Janeiro.

A quem interessa impedir que um representante dos terreiros de Candomblé do país inteiro seja candidato? Esta é a pergunta que devemos nos fazer – não só os Povos Tradicionais de Matrizes Africanas, mas todos os setores da sociedade, comprometidos com a defesa dos Direitos das minorias e das classes populares. Exigimos respeito. Este não é o tratamento que os partidos políticos que nos querem como seus quadros devem ter conosco.

Queremos dizer a todos vocês que a candidatura de Marcelo Monteiro ao Senado pela coligação “A Força que vem do Povo” (PODE, REDE, PR e PPL) se deu a partir de um projeto coletivo, cunhado na luta e na resistência, e ganhou força justamente porque nossa proposta representa os interesses legítimos dos que jamais se viram representados nacionalmente – Povos Tradicionais de Matrizes Africanas, Movimento Negro, Movimento de Favelas e o Movimento de Mulheres.

Derrubar a candidatura do Ogan Marcelo Monteiro é um recado acintoso da velha política – dos setores retrógrados e reacionários – que insistem em não querer lidar com as mudanças necessárias ao cenário nacional. Muito sintomático, lamentável por assim dizer, que candidaturas comprometidas com as minorias sejam descartadas como fraldas, sem nenhuma cerimônia, desconsiderando vexatoriamente as construções coletivas que elas representam.

Assinam esta carta:

Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matrizes Africanas – (Brasil)
MONABANTU - Movimento Nacional da Nação 
Babalawo Marcio Alexandre Obeate Ifairawo
Rosiane Rodrigues Ilé Axé Omilayo - Axé Santa Maria (Juntos!)
Gilmar Hughes - COMASG RJ
Dr. Terranova - candidato a deputado estadual

 


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
A generalização como recurso de linguagem e porta para a injustiça
"A Democracia está em risco, acordem!"
Carta Aberta aos adeptos do Cavaleiro das Trevas. Não passarão!
Brasileiro, prepare-se para se calar (porque, do contrário, o teu governante, o teu governo, vai te calar)
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados