21 de Setembro de 2018 |
Última atualização 17:33
Comentamos
Advogada negra é vítima de racismo por parte de juiza
08/09/2018
Semeadores de ventos
Dojival Vieira

É Advogado, jornalista e editor responsável pela Afropress

Eu sou pela vida. Não defendo nem celebro a morte. Todo homem que morre (e estou falando do gênero humano, homo sapiens, portanto homens e mulheres), ficamos mais pobres, a humanidade se ressente, fica menor. Portanto, não desejo nem celebro.

 

Ninguém deveria fazê-lo.

Tenho acompanhado a repercussão do episódio do atentado à faca envolvendo o ex-capitão reformado e constato algumas coisas igualmente assustadoras, como assustador é o personagem.

1 - a reação dos seus seguidores segue o padrão do fanatismo quase religioso. Houve até um idiota que escreveu que ele agora está eleito por ter "derramado seu sangue pela pátria.";

2 - o caso precisa ser investigado com rigor, porque um ato insano de um notório tresloucado, está sendo clara e visivelmente transformado em propaganda eleitoral. Um filho chegou a dizer, à saída do Hospital, em Juiz de Fora: "elegeram meu pai à Presidência da República", o que dá bem uma ideia da ausência completa de escrúpulos e do oportunismo dessa gente. Querem aproveitar o ato de um insano para seguir com a insanidade;

3 - o fanatismo político e religioso inviabilizam o exercício e o uso da racionalidade, atributo só encontrável em nossa espécie;

4 - o ocorrido é a prova mais evidente de um ditado popular muito antigo - "quem semeia ventos, colhe tempestade" - que também pode ter a seguinte tradução: quem semeia ódio e violência se torna alvo de violência e ódio. É a lei do eterno retorno. Inexorável;

5 - o jornalismo vai aos poucos decretando a sua própria morte. Se ainda existisse na sua plenitude, a primeira coisa a fazer seria ouvir o chefe da equipe médica para saber da real condição de saúde do paciente, evitando-se a instrumentalização política do fato, como está escandalosamente ocorrendo. A própria PF não tem isenção para investigar o caso porque é notório que nem a instituição - aliás, nenhuma instituição - escapa do facciosismo e às divisões políticas e ideológicas;

6 - interessante a reação dos demais candidatos e do mundo político - e aí incluem-se a maioria dos analistas - todos unânimes, do petismo aos analistas da GloboNews, em afirmar ter se tratado de um atentado à democracia, quase que elevando o ex-capitão à condição de mártir, herói da democracia; 

7 - quanta bobagem, quanta demagogia de gente que se toma como séria. O ex-capitão conspira contra a democracia desde o tempo em que foi acusado de tentar explodir bombas em quartéis. Nesta campanha não faz outra coisa, por exemplo", ao defender o fuzilamento da "petralhada" como fez no Acre há  cerca de 15 dias.

8 - dito isso, como não desejo nem celebro a morte de nenhum homem, espero a pronta recuperação do ex-capitão reformado para que ele e o que representa - defesa da tortura e celebração de torturadores, xenofobia, misogenia, homofobia, racismo - possa ser derrotado nas urnas e no plano das ideias, o único caminho para reunificar o país dividido pela desigualdade e pela violência.


#Eleiçoes2018 #Chegadeodiointolerância #Flima2018 #BrasilsemRacismo#Afropress

 


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
Eu também sou mulher
A chuvarada do Marcos Romão
Carta aberta ao meu irmão, Marcos Romão
Vá em paz, meu amigo Romão!
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados