15 de Novembro de 2018 |
Última atualização :
Comentamos
Conceição Vercesi, de Botucatu, fala sobre Diversidade
26/10/2018
O empreendedor Barão de Mauá (1.813-1889)
Carlos Roberto Saraiva da Costa Leite

Pesquisador e coordenador do setor de Imprensa do Museu da Comunicação Hipólito José da Costa

"O melhor programa econômico e governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem”  (Barão de Mauá)                                                                                    

Nascido há 205 anos, no dia 28 de dezembro de 1813, na Vila de Nossa Senhora da Conceição do Arroio Grande, o gaúcho Ireneu Evangelista de Sousa faz parte da galeria dos grandes nomes da história brasileira. 

Filho de João Evangelista de Ávila e Sousa e de Maria de Jesus Batista de Carvalho, ele foi entregue, com oito anos de idade, após a morte de seu pai, aos cuidados de seu tio Manuel José de Carvalho que o levou para o interior de São Paulo onde o menino foi alfabetizado.

Ao completar nove anos de idade, ele passou a morar com outro tio – João Batista de Carvalho - que era comandante de embarcação da marinha mercante e transportava couro e charque do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro Na Capital imperial, Ireneu começou a trabalhar num estabelecimento comercial, como caixeiro do armazém, podendo se manter, pois morava e alimentava-se no local.

O jovem trabalhador

Após dois anos, o futuro Barão de Mauá passou a trabalhar na loja de tecidos do português Antônio José Pereira de Almeida. Desenvolto e inteligente, o jovem conquistou a confiança e a admiração do patrão que, após ter falido, indicou-o à empresa do escocês Ricardo Carruthers mantinha negócios importantes de importação e exportação com os ingleses. Ireneu, dedicado ao seu trabalho, logo prosperou, assumindo o cargo de gerente. Aos 23 anos de idade, falando de forma fluente a língua inglesa, assumiu a condição de sócio nos negócios.

No ano de 1839, quando o seu patrão retornou ao Reino Unido, deixou-o responsável pela gerência dos negócios no Brasil. Carruthers foi também o responsável pela introdução de Mauá na maçonaria.

Quando eclodiu a Revolução Farroupilha (1835-1845), na Província gaúcha, sua mãe viúva e sua única irmã se mudam - a pedido do próprio Ireneu - para o Rio de Janeiro.  Naquele período, ele ajudou conterrâneos liberais a escapar das prisões na Capital do império.  

Em 1841, ele se casou com sua sobrinha Maria Joaquina de Souza O casal teve dezoito filhos, dos quais apenas onze sobreviveram. Os óbitos eram atribuídos ao grau de parentesco existente entre o casal.

Passados dois anos, em 1843, ele já era considerado um homem de posses, morando num solar na Rua do Catete. Modesto e de costumes simples, apenas empreendeu algumas viagens à Inglaterra, visando a seu aprimoramento acerca da indústria e do comércio. O contato com a mentalidade empresarial dos ingleses – líderes da Revolução industrial - foi determinante para a formação do pensamento empreendedor de Mauá.

Início da Indústria Naval no Brasil

A iniciativa de Ireneu Evangelista de Sousa em comprar, em Niterói (RJ), uma pequena fundição na Ponta da Areia, do britânico Charles Colman, deu início, em 11 de agosto de 1845, à indústria naval brasileira. Com esta iniciativa, Ireneu quadruplicou o seu patrimônio.

Em seu dinâmico empreendedorismo, ele fundou também a Companhia Fluminense de Transportes (1852), e criou a Companhia de Navegação a Vapor do rio Amazonas (1853), obtendo então o direito à navegação por 30 anos. A Amazônia teve pela primeira vez um transporte regular entre seus pontos mais distantes.

No ano de 1851, fundou a Companhia de Gás, que possibilitou a introdução da moderna iluminação pública na capital imperial, substituindo os antigos lampiões a óleo de peixe.

Nossa primeira Estrada de Ferro

Considerado o seu grande legado, Ireneu Evangelista de Sousa foi o responsável pela construção da primeira estrada de ferro do Brasil. No dia 30 de abril de 1854, com a presença de dom Pedro II, ocorreu a sua inauguração, ligando o porto de Estrela, que se situava ao fundo da Baía da Guanabara e Raiz da Serra, em direção à cidade de Petrópolis. Nesta época, foi-lhe conferido o título de Barão de Mauá. Em homenagem à sua esposa, a locomotiva foi denominada de "Baroneza". Importada da Inglaterra, ela fazia um percurso de 14,5 km e tinha bitola de 1,68m.    

O Banqueiro Mauá

Ao final da década de 1850, Mauá fundou o Banco Mauá, MacGregor & Cia, abrindo filiais em várias capitais brasileiras e de outros países, como Londres, Buenos Aires e Montevidéu; além, é claro, da cosmopolita New York. Ajudou também a fundar o segundo Banco do Brasil, pois o primeiro havia falido em 1829. Tudo no Brasil que remetesse a desenvolvimento e ao progresso, onde não houvesse exploração de mão de obra escrava, tinha a marca de Mauá.  Na realidade, ele era um “estranho no ninho” num país ruralista, escravocrata e latifundiário.

Homem liberal e abolicionista, Mauá forneceu recursos financeiros para a defesa de Montevidéu, quando o Brasil decidiu intervir em 1850 nas questões do Prata.  Este fato fez com que se tornasse “persona non grata” no Império. Suas fábricas passaram a sofrer sabotagens criminosas e os negócios foram prejudicados pela legislação que sobretaxava as importações de matéria prima para as suas indústrias.  No ano de 1857, o seu estaleiro foi criminosamente incendiado.

O sonho de uma Nação livre e progressista

Grande opositor do sistema escravocrata e do tráfico de escravos, ele compreendia que, a partir de um comércio livre e com trabalhadores remunerados, o Brasil poderia alcançar um real progresso. Com o término do tráfico negreiro, a partir da Lei Eusébio de Queirós (1850), o capital até então utilizado no comércio de escravos passou a ser investido na industrialização. Dentro deste contexto, Mauá passou a se dividir entre as atividades de industrial e banqueiro, acumulando, no auge de seus 40 anos de idade, uma considerável fortuna.

O político

De acordo com Sérgio da Costa Franco em seu livro “Dicionário Político do Rio Grande do Sul (2011), Mauá foi eleito pra a Câmara dos Deputados, em quatro legislaturas sucessivas (1853-1866), representando o Rio Grande do Sul.  Após algum tempo,  ele deixou a política, para cuidar dos negócios, que se encontravam ameaçados desde a crise bancária de 1864.

A perseguição imposta pelos poderosos proprietários escravocratas, que não se alinhavam à modernidade capitalista, exercida por Mauá, contribuiu, sem dúvida, à sua derrocada financeira.   

Em 1870, Mauá implantou o telegráfico submarino, ligando o Brasil com a Europa. Diante de tantas contribuições, ele recebeu em 1874 o título de Visconde de Mauá. 

A perda de sua fortuna

No ano de 1875, com o encerramento do Banco Mauá, ele se obrigou a vender a maioria de suas empresas a estrangeiros. Apesar da sua valiosa contribuição no campo social, político e econômico, Mauá teve que enfrentar o espectro da falência. Causada propositalmente, a sua crise financeira poderia ter sido evitada com um empréstimo  governamental, o qual lhe foi recusado. 

A superação

No ano de 1884, aos 70 anos de idade, após ter liquidado as dívidas com os seus credores, Mauá recebeu carta de reabilitação de comerciante, passando a exercer a atividade de corretor de mercadorias, especialmente na área da cafeicultura.

Bastante fragilizado, sofrendo com a diabetes, o Visconde de Mauá só descansou após pagar todas as suas dívidas, encerrando a sua existência com nobreza de caráter, embora os reveses sofridos. Em 1999, ele foi o tema central de um filme, sendo interpretado pelo ator Paulo Betti.

Há exatamente 129 anos, Mauá faleceu, aos 75 anos, na cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro, no dia 21 de outubro de 1889. Sem dúvida é um nome que fulgura entre os brasileiros que lutaram e dignificaram essa Nação.

Bibliografia

BELLOMO, Harry Rodrigues; ERTZOGUE, Marina Hainzereder; ARAÙJO, Thiago Nicolau de.  Dicionário Biográfico Sul-Rio-Grandense. Porto Alegre: EST, 2006.

BESOUCHET, Lídia (1978), Mauá e seu tempo, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

DI RUSSO, Berlane: Nome de Rua / Personagens e Lugares das Ruas de Porto Alegre. Porto Alegre: EST, 2000.

.FRANCO, Sérgio da Costa. Dicionário Político do Rio Grande do Sul /1821-1937. Porto Alegre: Suliani Letra & Vida, 2011.

LESSA, Luiz Carlos Barbosa. Calendário histórico Cultural do Rio Grande do Sul, Porto Alegre: Corag / IEL, 1985.

 

 

 

 


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
A colagem de Arya Haliba
A generalização como recurso de linguagem e porta para a injustiça
"A Democracia está em risco, acordem!"
Carta Aberta aos adeptos do Cavaleiro das Trevas. Não passarão!
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados