22 de Novembro de 2019 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
Mais vistos
14/03/2019
No Brasil e no mundo, só uma pergunta: quem mandou matar Marielle Franco?
Da Redação, com informações das Agências e de Edson Cadette, de Nova York

S. Paulo/Rio/Nova York/EUA - Milhares de pessoas se reuniram ontem nas principais capitais do país - e em algumas cidades do mundo como Nova York, nos EUA, Lisboa, em Portugal, Buenos Aires, na Argentina e Ferrara, na Itália - para lembrar a passagem do primeiro ano da morte da vereadora carioca Marielle Franco, e do seu motorista Anderson Gomes, ambos assassinados no dia 14 de março de 2017. Marielle se transformou em símbolo no Brasil e no mundo da luta por Justiça e contra a impunidade.

Em S. Paulo milhares de pessoas, munidas de cartazes, faixas e camisetas com o rosto da ativista participaram do ato de protesto na Praça Osvaldo Cruz, na Bela Vista, para lembrar a morte de Marielle e cobrar respostas das autoridades.  O ato continuou com uma passeata pela Avenida Paulista. 

Esta semana dois ex-policiais integrantes de milícias cariocas - Élcio Queiroz e Ronnie Lessa - foram presos, acusados de serem os executores do crime. Um deles - Lessa - era vizinho do presidente Jair Bolsonaro num condomínio na Barra da Tijuca.  No ato de S. Paulo os manifestantes cantaram a paródia de um sucesso dos antigos carnavais: "doutor, eu não me engano, o bolsonaro é miliciano".

No Rio, uma missa que reuniu parlamentares do PSOL e familiares de Marielle marcou um ano do assassinato de Marielle e de seu motorista Anderson Gomes. A Praça da Cinelândia ficou lotada de manifestantes exigindo respostas e punição para os assassinos e mandantes da execução de Marielle.

Em Nova York, manifestantes norte-americanos, brasileiro e de vários países se reuniram nas escadarias de acesso à biblioteca do campus da Universidade Colúmbia, para homenagear Marielle e existir resposta das autoridades brasileiras a uma pergunta que se tornou central após a prisão dos dois ex-policiais acusados de serem os executores da vereadora e do seu motorista: "quem mandou matar Marielle?"

Segundo relata o blogueiro Edson Cadette, de Nova York para a Afropress, o tom das manifestações nas escadarias em Nova York foi de indignação e nas falas foi destacado que "Marielle lutava pela humanidade dos mais vulneráveis e por uma democracia plena e contra o racismo presente diáriamente nas vidas de milhões de brasileiros".

Uma estudante brasileira do Curso de Doutorado e Antropologia, da Universidade Columbia, que pediu para que seu nome fôsse mantido em sigilo, esteve presente e destacou que "mulheres como Marielle não morrem por acaso. A luta continua", destacou a estudante.


Artigos Relacionados
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados