13 de Dezembro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
22/03/2019
Diante do silêncio e perplexidade, saída é a luta contra reforma da Previdência
Da Redação

S. Paulo – O Dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial foi lembrado, no Brasil, nesta quinta-feira 21 de março, de forma discreta. O país tem a maior população negra do mundo, depois da Nigéria. Segundo dados da mais recente Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio(PNAD) do IBGE, pretos e pardos correspondem a cerca de 54% da população de 205,5 milhões de habitantes.

A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para lembrar o massacre de Sharpeville, bairro de Johanesburgo, na África do Sul, ocorrido no 21 de março de 1.961, quando 69 negros foram mortos e 180 ficaram feridos em frente a uma delegacia de polícia quando protestavam por direitos.

A discrição e quase silêncio (este ano, não houve protestos nem marchas, mas apenas manifestações isoladas de personalidades e entidades), refletem ainda o desânimo e a perplexidade do movimento social com o governo de extrema direita sob tutela de militares, de Jair Bolsonaro, que não reconhece a questão do racismo nem a desigualdade racial e transformou em espaço decorativo a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR). A SEPPIR já chegou a ter status de ministério sob os governos Lula.

Discriminação cresce

Uma das poucas manifestações oficiais a respeito da data partiu do Ministério Público do Trabalho, que divulgou levantamento mostrando que os casos de discriminação em razão da origem, raça, cor ou etnia, cresceram 30% em relação ao mesmo dado de 2014.

Nos últimos 5 anos o MPT recebeu 896 denúncias desse tipo. No Brasil, de acordo com os dados mais recentes do IBGE, negros têm as mais altas taxas de desemprego e recebem, em média, salários mais baixos que os não negros.

“É preciso criar condições para superar o racismo estrutural que impede as pessoas negras de alcançarem melhores postos de trabalho, com maior igualdade salarial", disse a procuradora Valdirene Silva de Assis, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade) do MPT.

No fim do ano passado, a renda média dos trabalhadores brancos era 76% maior que a dos negros. Segundo a pesquisa PNAD Contínua, enquanto o primeiro grupo recebia R$ 2.834 mensais, o salário médio do segundo era de apenas R$ 1.609.

Luana Génot, fundadora e diretora executiva do Instituto Identidades do Brasil, diz que o número de casos que chegam ao MPT não representam a realidade, pois há muita subnotificação. "As pessoas só denunciam quando é um caso extremo. Existe muito receio de perder o emprego”, afirma.

Hoje, mais da metade da população brasileira é negra, mas, nas cem maiores empresas do país, apenas 5% dos cargos executivos são ocupados por esse grupo.

“É impossível acreditar que eles não querem alcançar cargos e salários maiores. Há muitos empecilhos e barreiras que impedem as pessoas negras de galgarem na hierarquia. O racismo estrutural, que se expressa quando uma empresa não coloca um negro num cargo de gestão simplesmente por conta da sua cor, é muito mais grave”, diz Luana.

Contra a Reforma da Previdência

Diante da passagem quase em branco de uma data que é mundialmente lembrada, Ernesto Luiz Pereira, da Central de Sindicatos Brasileiros (CSB), e o jornalista Márcio Alexandre Martins Gualberto, que se articulam para lançar uma Frente Antirracista e entendem que a questão da desigualdade racial é fruto de um modelo capitalista excludente, herança da escravidão e de uma abolição não concluída, passaram a defender a mobilização para a Jornada Nacional de Luta em Defesa da Previdência.

A jornada é promovida pelas dez centrais sindicais e mais pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. A proposta enviada por Bolsonaro atinge pesadamente os negros e os mais pobres e privilegia os mais ricos e o estamento militar.

A proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 6/2019, enviada pelo governo em janeiro, representa o desmonte da Previdência Pública, o fim das aposentadorias e da proteção social para idosos, pensionistas e pessoas com deficiência carentes.

Por outro lado, a proposta de reforma, que o governo chama de ‘Nova Previdência’, cria um sistema de capitalização individual das contribuições previdenciárias e um fundo bilionário a ser administrados por bancos privados.


Artigos Relacionados
Bolsonaro nomeia capitão do mato para Fundação Palmares
Violência e truculência fascista marcam o Dia da Consciência Negra
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados