17 de Outubro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
08/04/2019
Músico negro carioca é executado por militares do Exército com 80 tiros de fuzil
Da Redação, com informações das Agências e do G1

Rio – O músico Evaldo dos Santos Rosa, 51 anos, queria apenas chegar a um chá de bebê, para o qual a família foi convidada. No caminho, porém, na Estrada do Camboatá, em Guadalupe, Zona Oeste, uma patrulha do Exército brasileiro, responsável pela segurança pública no Rio, o executou com 80 tiros.

No carro, além de Evaldo, estavam sua mulher, Luciana Nogueira, o sogro, Sérgio, o filho de sete anos e uma amiga. O sogro foi atingido pelo festival de tiros de soldados do Exército. A mulher, está sob efeito de remédios e sob cuidados médicos; o menino e amiga não se feriram. Uma pessoa que passava pelo local também ficou ferida, sem gravidade.

Este foi o segundo caso de assassinato de um civil desarmado pelo Exército no Rio de Janeiro em menos de uma semana. Na última sexta-feira, Christian Felipe Santana de Almeida, 19 anos, também foi morto com um tiro no peito em Realengo. As ações criminosas de militares resultaram em 2 mortes de civis inocentes. Nenhuma das vítimas tinha qualquer passagem pela polícia. Ambos os casos serão investigados pela Justiça Militar.

A Polícia Civil realizou a perícia no local porque os militares tiveram dificuldade em realizá-la, segundo o delegado, devido à revolta dos moradores que testemunharam o crime. Leonardo Salgado, delegado da Divisão de Homicídios da Polícia Civil, foi quem realizou a perícia. Ele disse que havia indícios para uma prisão em flagrante.

"Foram diversos, diversos disparos de arma de fogo efetuados, e tudo indica que os militares realmente confundiram o veículo com um veículo de bandidos. Mas neste veículo estava uma família. Não foi encontrada nenhuma arma [no carro]. Tudo que foi apurado era que realmente era uma família normal, de bem, que acabou sendo vítima dos militares", afirmou o delegado em entrevista à TV Globo. 

Silêncio

O presidente Jair Bolsonaro, que na semana passada se congratulou com a Rota pela execução de onze homens acusados de roubo a agências bancárias em Guararema, na região metropolitana da Grande S. Paulo, e habitualmente loquaz quando se trata de elogiar a ação de militares, desta vez, silenciou. Segundo o porta-voz da Presidência, o genral Otávio do Rêgo Barros, Bolsonaro “não comentou” o fuzilamento do carro da família de Evaldo, em Guadalupe, zona norte do Rio.
 

O general limitou-se a dizer que “confia na Justiça Militar, nos esclarecimentos que o Exército dará por meio do inquérito e espera que eventos de igual similitude não venham a ocorrer”.

Revolta

Diante da repercussão do caso e das manifestações de indignação por todo o país e nas redes sociais, o Comando Militar do Leste (CML), informou na manhã desta segunda-feira (08/04) que prendeu dez dos 12 militares responsáveis pela execução do músico.

No primeiro momento a Comando mentiu informando que os agentes tinham respondido a "injusta agressão" de criminosos". Só nesta segunda, diante da repercussão, voltou atrás e disse ter identificado "inconsistências" entre os fatos reportados pelos militares e informou que os agentes foram afastados.

A Polícia Civil realizou a perícia no local porque os militares tiveram dificuldade em realizá-la, segundo o delegado, devido à revolta dos moradores que testemunharam o crime.

 

Artigos Relacionados
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados