17 de Outubro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
08/04/2019
Em Nova York Boulos cobra: Quem mandou matar Marielle?
Da Redação, Edson Cadette

Nova York – Em palestra na Universidade Colúmbia, em Nova York, o ex-candidato do PSOL à Presidência da República, Guilherme Boulos, repetiu, na última sexta-feira (05/04), a pergunta que ecoa em todo o mundo: quem foram os mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes. Os dois acusados - um dos quais era vizinho do presidente Jair Bolsonaro - já estão presos, porém, não se sabe quem foram os mandantes da execução. 

Após a palestra, Boulos falou com o blogueiro Edson Cadette, colaborador voluntário de Afropress.

Edson Cadette - O que o PSOL tem feito para atrair futuras Marielles ao Partido?

Guilherme Boulos - Olha, o PSOL tem feito um trabalho de base importante. Por exemplo: no RJ sobretudo nós conseguimos eleger três deputadas Estaduais que trabalharam com a Marielle, inclusive se formaram com ela. A Renata, a Monica e a Dani Monteiro. Conseguimos também eleger duas deputadas federais negras, as duas amigas da Marielle, a Talira e a Áurea Carolina, uma delas, inclusive, do Rio.

Temos nos aproximado mais das comunidades. O Partido se coloca de portas abertas. O Partido se organiza através da base dos movimentos sociais para ter cada vez mais vozes de atores e atrizes para fazer oposição política a Bolsonaro.

EC - Direitos Humanos, Direitos Civis e Liberdade Civis no Brasil se tornaram algo extremamente negativo. Por que está visão atual no Brasil?

GB - Por se construiu um discurso meio alucinado de que a violência é algo positivo. Se construiu um Cultura da violência, que despreza os Direitos Humanos. Passa por cima da Democracia em nome do grito, do ódio e da agressão. O Bolsonaro é a expressão. Talvez ele seja o representante máximo desta cultura hoje no Brasil. Assim como todo devaneio e todo pesadelo um dia ele acaba. As pessoas já começaram a perceber o que esse discurso representa e a que ele leva. Esta Cultura está começando a ser questionada com cada vez mais força no Brasil.

EC - Na sua opinião qual foi o papel da grande mídia na eleição passada? Você acredita que ela contribuiu imensamente para eleger Bolsonaro?

GB - Eu acho que de algum modo ao fortalecer a cultura da política, ao fazer a perseguição atroz que fez ao Lula e de algum modo dar espaço para que um fenômeno como Bolsonaro fosse visto de uma maneira positiva, acredito sim que alguns setores da mídia contribuíram para sua vitória.


Artigos Relacionados
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados