17 de Outubro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
27/04/2019
Mídia negra inicia diálogo com a Prefeitura de S. Paulo visando inserção na publicidade oficial
Da Redação

S. Paulo - Por iniciativa da Secretária adjunta de Direitos Humanos da Prefeitura, professora Elisa Lucas Rodrigues, representantes dos principais veículos da mídia negra de S. Paulo se reuniram nesta sexta-feira (26/04), com a coordenadora de Publicidade da Secretaria de Comunicação da Prefeitura, Luciana Nogueira, para tratar do Plano de Promoção da Igualdade Racial.

O Plano assinado pelo prefeito Bruno Covas, em novembro do ano passado, tem a Comunicação entre os seus 10 eixos. Uma das metas é o estímulo a vinculação das mídias negras na lista do rol de contratos da Prefeitura, visando a presença destas na publicidade governamental.

Por mídia negra são conhecidos os blogs, sites, revistas, e portais, que se servem da Internet e das redes sociais, como meio para veiculação de material jornalístico, áudio-visuais, programas de rádio e aplicativos com foco no tema do combate ao racismo e na defesa dos direitos civis e políticos da população negra brasileira.

A reunião teve a participação do jornalista Dojival Vieira editor de Afropress – Agência Afroétnica de Notícias – que este ano completa 14 anos no ar, de Washington Andrade, do Portal Áfricas, de Maurício Pestana, da Revista Raça, de Jader Nicolau Júnior, do Instituto Portal Afro e Cesar Hostil, do Limite Zero Portal de Notícias.

Durante cerca de uma hora, os profissionais apresentaram sugestões de como colocar em prática o Plano assinado pelo prefeito Covas. .

Entre as propostas sugeridas está a realização de uma campanha permanente dividida em pelo menos quatro etapas, destacando o fato de São Paulo ser a cidade com maior população negra do mundo fora da África, com mais de 4 milhões de pretos e pardos na sua população superior a 12 milhões de habitantes.

O Governo do Estado, na gestão Geraldo Alckmin, manteve no ar por meio de alguns desses veículos durante cerca de três anos, a Campanha S. Paulo Contra o Racismo, em parceria com a Federação Paulista de Futebol. O atual governador João Dória interrompeu a veiculação quando assumiu em janeiro, porém, os representantes dessas mídias tem tentado abrir canais de diálogo com o Palácio dos Bandeirantes para a retomada da campanha.

Segundo o jornalista Dojival Vieira, a presença negra na cidade de São Paulo é uma marca que só aparece de forma esporádica, em especial em eventos como o carnaval, mas que precisa estar mais inserida no cotidiano da vida das pessoas e nas políticas de iniciativa do Poder Público, em especial, nas áreas da Educação, Saúde, Cultura e mercado de Trabalho. Uma maior presença negra na área da comunicação, acrescentou, contribuiria para romper a barreira da invisibilidade fortalecendo a luta pela cidadania negra e paulistana.

Segundo o diretor executivo do Portal Áfricas, a reunião foi “extremamente produtiva”. Para Andrade, os profissionais que atuam na área da comunicação focada podem dar uma contribuição importante para que o Plano de Promoção da Igualdade Racial da cidade de S. Paulo saia do papel e a inclusão da população negra se torne uma realidade.

A coordenadora de Publicidade, Luciana Nogueira, agradeceu a presença dos participantes e as propostas apresentadas e se comprometeu a levá-las a Isabel Amorim Shicherle, a chefe de gabinete do secretário de Comunicação, Marco Antonio Sabino de Souza, para que seja mantido o canal de diálogo com a Prefeitura.

 


Artigos Relacionados
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados