10 de Dezembro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
22/07/2019
Racismo é crime: manifestantes em São Carlos cobram atitude do prefeito
Da Redação

São Carlos/SP – Militantes do movimento negro e antirracista de São Carlos - cidade a 231 Km da capital -, com faixas e cartazes com dizeres "Racismo é crime" saíram às ruas sábado (20/07) para exigir do prefeito Airton Garcia, do PSB, a exoneração de Carla Campos, a chefe de gabinete da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida. Campos é acusada de ato de racismo e prática de humilhações e constrangimentos contra duas funcionárias da Prefeitura.

A manifestação começou por volta das 9h e reuniu entre 300 e 500 pessoas, segundo Paulo Roque da Silva Júnior e Carmelita Silva, dois dos organizadores. As duas funcionárias – Benedita Maria dos Santos, de 60 anos, e Eliani Cristina Florindo, 48, ambas negras (foto da capa) – participaram do ato que transcorreu até por volta das 12h, em clima tranquilo e terminou em frente a Praça do Mercado Municipal.

Ao final, os organizadores decidiram que no dia 06 de agosto, quando os vereadores voltam do  recesso de julho, comparecerão em peso à Câmara para cobrar uma posição do Legislativo.

A chefe de gabinete é acusada de prática rotineira de assédio moral com conotação racista contra a auxiliar de limpeza Benedita, funcionária terceirizada da Secretaria a quem recomendava que, depois do trabalho de rotina, ficasse no “quartinho (uma salinha da Secretaria), pois o lugar de gente preta é lá”.

Em relação a Eliani Cristina, segundo a própria, no dia 10 deste mês, após uma discussão com o secretário titular da pasta, José Paulo Gomes, Campos teria se queixado que “até você chegar, nós éramos unidos, agora está tudo uma nuvem preta”, numa alusão a sua cor.  O relato consta do Boletim de Ocorrência registrado na Polícia. A chefe de gabinete não foi localizada pela Afropress.

Mais de um quarto da população de São Carlos é formada por pretos e pardos, de acordo com dados da Fundação Seade, ligada ao Governo do Estado – 20,8% são pardos e 5,3% de pretos. Os brancos representam 73% da população dos cerca de 250 mil habitantes, enquanto que os amarelos (orientais) são 0,8% e os indígenas 0,1%.

No Estado, os negros correspondem a 34,6% da população (29,1% pardos e 5,5% pretos). Os brancos são 63,9%, os amarelos 1,4% e os indígenas 0,1%. No país, os negros são 55,2% da população, de acordo com os mesmos dados atualizados com base no Censo do IBGE 2010.

Abafa

No primeiro momento, o prefeito tentou abafar o caso, afirmando em relação ao episódio que se tratava de um “negócio furado e que não aconteceu”.

Depois, sob pressão do movimento social, exonerou a servidora Solange Nunes da Silva (Portaria 783 de 17 de julho), que ocupava o cargo em comissão de diretora do Departamento de Defesa da Pessoa com Deficiência da Secretaria que, segundo os ativistas sempre foi conivente com as práticas da chefe de gabinete.

Agora com a mobilização e a denúncia ganhando às ruas e com a pressão dirigida à Câmara para que tome uma posição,  o movimento tem a expectativa de que o prefeito demonstre – exonerando a acusada – que não é ele também conivente com práticas racistas e discriminatórias contra pessoas negras.

 

 


Artigos Relacionados
Bolsonaro nomeia capitão do mato para Fundação Palmares
Violência e truculência fascista marcam o Dia da Consciência Negra
MP denuncia Carla Campos, de S. Carlos, por injúria racial
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados