13 de Julho de 2020 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
13/05/2020
Enfrentar os fascistas em todas as frentes
Álvaro Egea

É Secretário Geral da Central dos Sindicatos Brasileiros, presidente do Movimento Trabalhista do PDT/SP

As centrais sindicais e os partidos de oposição devem responder a todos os atos e provocações dos bolsonaristas. Ampliar o leque de aliados em defesa da vida, do emprego e renda e da Democracia continua sendo um objetivo estratégico dos trabalhadores e das forças de oposição como sinalizado de forma inédita no 1º de maio.


Especial destaque adquire a defesa da liberdade de imprensa, agredida diariamente pelo ocupante da PR.
Por mais críticas que merece a linha editorial da mídia comercial , na luta pela vida e em defesa da democracia estamos do mesmo lado da trincheira. As notas de repúdio continuam sendo necessárias, mas são insuficientes.


No plano jurídico devemos continuar propondo ações, promover notícias crimes contra militantes do bolsonarismo e ocupantes de cargos públicos que ofendam o direito à vida, os direitos, a ordem democrática, o decoro público e o Código Penal. Ponto a ponto. Nenhuma agressão deve ficar sem uma resposta no plano político, jurídico e no plano da ação política.

A banalização dos ataques a ordem democrática está gerando uma sensação de apatia, de passividade e de espera de um milagre para conter as provocações diárias do Presidente da Republica, milagre esse que viria dos militares, de políticos da direita. De onde se espera nada virá!!


Os democratas devem enfrentar os fascistas na ação política, na mobilização de rua ainda que respeitando os protocolos de distanciamento social. Denúncias dos atos criminosos devem continuar sendo feitas na esfera pública (Parlamento, mídias, ação sindical e política) pelas centrais, movimentos sociais, cívicos e partidos. Mas isso não basta.


Realizar manifestações de rua seguindo os protocolos sanitários

 

Devemos desafiar a criatividade e enfrentar os fascistas no espaço público. As milícias fascistas estão nas ruas, as forças da ordem (PM, MP, cúpula do Judiciário e Forças Armadas) continuarão de braços cruzados. A Bolívia é aqui!!
 

Não podemos ficar inertes , isolados em nossas casas enquanto os fascistas realizam seguidos atos de ataques aos direitos e a Democracia.


A exemplo dos enfermeiros de Brasília, dos trabalhadores de Portugal e da Grécia no 1º de maio, devemos fazer Atos em locais públicos de grande simbolismo (Praça dos Três Poderes, por exemplo), como farão as associações de juristas dia 13 de maio, quarta-feira , na Praça dos Três Poderes, em Brasília, “ em defesa da Vida, da Democracia e da Constituição” . Os organizadores pedem aos aderentes levar uma Constituição e uma vela. O Ato será em silêncio.

 

Exemplo dos trabalhadores da Renault do Paraná

 

Os metalúrgicos da Renault em Curitiba, na semana passada, deram um exemplo de mobilização presencial possível obedecendo os protocolos de distanciamento social. Em assembleias comandadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba, os trabalhadores derrotaram a proposta da empresa de “ negociação individual” exigindo a participação do sindicato nas negociações coletivas .

 

SP, 10/05/20


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
BRASIL REBELDE: MANIFESTO EM DEFESA DA VIDA, DA LIBERDADE E DA DEMOCRACIA
O Correio Braziliense (1808 -1822) e a Escravidão no Brasil
Estudos culturais: O jazz na sala de Aula
O protagonismo do jovem trabalhador negro e periférico
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados