22 de Setembro de 2020 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
23/06/2020
UniSantos poderá expulsar aluno acusado de racista
Da Redação

Santos/SP – Rodrigo de Oliveira Morais é o nome do estudante do primeiro ano do curso de Direito da Universidade Católica de Santos (UniSantos), responsável pela postagem de publicações de conteúdo rascista nas redes sociais.

A Comissão de Igualdade Racial da OAB/Santos já pediu a abertura de processo disciplinar para a expulsão de Morais. A Universidade informou que aguarda o resultado de notificação ao Ministério Público para as providências cabíveis, embora nada impeça que instaure por conta própria um processo administrativo disciplinar para apurar o caso e tomar as medidas cabíveis, inclusive, a expulsão.

O estudante poderá ser enquadrado no art. 20 da Lei 7.716/89, a Lei Antirracismo que pune com reclusão de um a três anos e multa, quem “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”

Morais postou na Internet publicações que provocaram a revolta dos estudantes da Casa Amarela, como é chamada a Faculdade de Direito, em que ao falar do assassinato de George Floyd, um homem negro, por um policial branco, em Minneapolis, EUA, mostra uma imagem com o seguinte texto, depois de morto: “Morri e virei branco. Obrigado, ‘sinhor’”.

O mesmo aluno também compartilhou imagens alusivas ao nazismo, afirmando que “quem luta contra o racismo não precisa ser negro, e sim burro”, e postou outra imagem mostrando o DNA de negros formado por correntes. Com a indignação que provocou apagou o perfil das redes sociais e declarou ter sido “mal-interpretado”.

De acordo com o advogado Flávio Viana, da Comissão da Igualdade Racial da OAB/Santos, a entidade quer saber se a UniSantos está acompanhando e se já abriu processo administrativo disciplinar para a expulsão do acusado. “Já temos a cópia do BO também”, disse Viana.

Segundo o advogado, a responsável pela denúncia vem recebendo uma série de ameaças de colegas de Morais, que se mantém anônimos, fato que também deve ser objeto das investigações da Polícia.

A Comissão solicitou à diretoria da OAB o envio de ofício e cobrança de providências para os seguintes órgãos: Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial e Étnica da Prefeitura de Santos; Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra e de Promoção da Igualdade Racial de Santos; Universidade Católica de Santos; Câmara Temática de Direitos Humanos do CONDESB; Coordenadoria de Políticas para a População Negra e Indígena (CPPNI) do Governo do Estado de São Paulo; Conselho Estadual de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de São Paulo; Núcleo de Discriminação Racial da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e Ministério Público.

O caso ganhou repercussão na mídia e nas redes sociais, depois que Carolina postou mensagem no seu Instagram, comentando o que acabara de descobrir nas redes sociais: “Será que vidas negras importam mesmo? TODOS esses prints são de uma das redes sociais de um garoto da minha faculdade (postados como meme) e eu senti tudo!! Menos que as vidas negras REALMENTE importam… o nosso sofrimento até comove mas as pessoas continuam em silêncio! Isso fere a minha existência! Fere de verdade, o racismo dói. Não adianta NADA compartilhar que as vidas negras importam e permanecer em silêncio diante de coisas desse tipo! Se esse post chegar até o garoto que postou esses absurdos, saiba que você não mencionou ninguém nos seus posts mas feriu um mar de pessoas!”.


Artigos Relacionados
Homicídios de pessoas negras cresceu 11,5% em 10 anos
Matulas da Nêga: comida com consciência na pandemia
América em chamas
Coronavírus: letalidade de Covid-19 é maior entre pessoas negras
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados