21 de Setembro de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
27/04/2019
Mídia negra inicia diálogo com a Prefeitura de S. Paulo visando inserção na publicidade oficial
Da Redação

S. Paulo - Por iniciativa da Secretária adjunta de Direitos Humanos da Prefeitura, professora Elisa Lucas Rodrigues, representantes dos principais veículos da mídia negra de S. Paulo se reuniram nesta sexta-feira (26/04), com a coordenadora de Publicidade da Secretaria de Comunicação da Prefeitura, Luciana Nogueira, para tratar do Plano de Promoção da Igualdade Racial.

O Plano assinado pelo prefeito Bruno Covas, em novembro do ano passado, tem a Comunicação entre os seus 10 eixos. Uma das metas é o estímulo a vinculação das mídias negras na lista do rol de contratos da Prefeitura, visando a presença destas na publicidade governamental.

Por mídia negra são conhecidos os blogs, sites, revistas, e portais, que se servem da Internet e das redes sociais, como meio para veiculação de material jornalístico, áudio-visuais, programas de rádio e aplicativos com foco no tema do combate ao racismo e na defesa dos direitos civis e políticos da população negra brasileira.

A reunião teve a participação do jornalista Dojival Vieira editor de Afropress – Agência Afroétnica de Notícias – que este ano completa 14 anos no ar, de Washington Andrade, do Portal Áfricas, de Maurício Pestana, da Revista Raça, de Jader Nicolau Júnior, do Instituto Portal Afro e Cesar Hostil, do Limite Zero Portal de Notícias.

Durante cerca de uma hora, os profissionais apresentaram sugestões de como colocar em prática o Plano assinado pelo prefeito Covas. .

Entre as propostas sugeridas está a realização de uma campanha permanente dividida em pelo menos quatro etapas, destacando o fato de São Paulo ser a cidade com maior população negra do mundo fora da África, com mais de 4 milhões de pretos e pardos na sua população superior a 12 milhões de habitantes.

O Governo do Estado, na gestão Geraldo Alckmin, manteve no ar por meio de alguns desses veículos durante cerca de três anos, a Campanha S. Paulo Contra o Racismo, em parceria com a Federação Paulista de Futebol. O atual governador João Dória interrompeu a veiculação quando assumiu em janeiro, porém, os representantes dessas mídias tem tentado abrir canais de diálogo com o Palácio dos Bandeirantes para a retomada da campanha.

Segundo o jornalista Dojival Vieira, a presença negra na cidade de São Paulo é uma marca que só aparece de forma esporádica, em especial em eventos como o carnaval, mas que precisa estar mais inserida no cotidiano da vida das pessoas e nas políticas de iniciativa do Poder Público, em especial, nas áreas da Educação, Saúde, Cultura e mercado de Trabalho. Uma maior presença negra na área da comunicação, acrescentou, contribuiria para romper a barreira da invisibilidade fortalecendo a luta pela cidadania negra e paulistana.

Segundo o diretor executivo do Portal Áfricas, a reunião foi “extremamente produtiva”. Para Andrade, os profissionais que atuam na área da comunicação focada podem dar uma contribuição importante para que o Plano de Promoção da Igualdade Racial da cidade de S. Paulo saia do papel e a inclusão da população negra se torne uma realidade.

A coordenadora de Publicidade, Luciana Nogueira, agradeceu a presença dos participantes e as propostas apresentadas e se comprometeu a levá-las a Isabel Amorim Shicherle, a chefe de gabinete do secretário de Comunicação, Marco Antonio Sabino de Souza, para que seja mantido o canal de diálogo com a Prefeitura.

 


Artigos Relacionados
Cemitério dos Aflitos, em S. Paulo, será considerado de utilidade pública
Prefeito de São Carlos "premia" acusada de racismo com cargo em Fundação
Como na escravidão, jovem negro é torturado com chibatadas em SP
Ativista negra se declara presa política e acusa justiça seletiva
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados