24 de Agosto de 2019 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
20/03/2019
Marielle, presente!
Edson Cadette

É blogueiro e escreve para a Afropress

Nova York/EUA, Edson Cadette para a Afropress - Com a presença de pessoas de diversas origens, de diferentes partes do planeta, e representantes da comunidade LGBT, o centro Cultural e Educacional People’s Forum de Nova York homenageou a ativista Marielle Franco assassinada há um ano, juntamente com seu motorista, Anderson Gomes, no centro do Rio.

A conferência intitulada: Marielle Franco - Legacy of a Powerful Woman lotou as dependências do centro localizado no coração de Manhattan, dando continuidade

às celebrações iniciadas na véspera na Universidade Columbia. Aa conferência teve início às 12 horas estendendo-se até as 17h e contou com participações políticas, acadêmicas e da sociedade civil do Brasil e dos EUA.

Dividida em três painéis, os conferencistas falaram sobres suas experiências recentes e o clima hostil com relação a luta pelos direitos humanos que tomou conta do Brasil com a campanha para presidente em 2018 que culminou com a eleição de Jair Bolsonaro.

O ponto alto da conferência ficou por conta da participação por vídeo de Anielle Franco, irmã de Marielle, Benedita da Silva, ex-governadora do Rio de Janeiro, Fernanda Chaves, assessora de Marielle que estava junto com a vereadora quando ela foi assassinada, e Mônica Benício, companheira de Marielle.

Ao final, sob aplausos da platéia, foi cantado o samba enredo da Mangueira, a escola campeã do carnaval deste ano, homenageando Marielle Franco e outras mulheres negras.

Para todos os participantes, após as falas, a conclusão de quem participou e se emocionou com a homenagem a ativista que se tornou um símbolo da luta do povo brasileiro por justiça e em defesa dos direitos humanos: o legado de Marielle Franco não será maculado por uma direita reacionária, retrógrada e com uma mentalidade ainda presa aos tempos do período da escravidão.

A prova da força do seu legado estava presente nos sorrisos de todos aqueles que lotaram as dependências do centro gritando em uníssono a palavra de ordem que virou símbolo de luta e combate à impunidade: MARIELLE? PRESENTE!


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
Sobre cautela, sem canja de galinha.
Olho vivo no capitão-do-mato.
Imprensa: o riso irreverente
Festas Juninas Acionam Todos Meus Gatilhos de Rejeição*
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados