31 de Outubro de 2020 |
Última atualização :
Comentamos
Ativista negra se declara inocente e acusa justiça seletiva
Mais vistos
04/07/2020
O Correio Braziliense (1808 -1822) e a Escravidão no Brasil
Carlos Roberto Saraiva da Costa Leite

Pesquisador e responsável pelo Núcleo de Pesquisa do MuseCom

“Quem se faz superior a toda lei não é membro da comunidade, mas um tirano ou rebelde” (Hipólito José da Costa)

Há 212 anos, em 1º de junho de 1808, devido à Censura Régia no Brasil, começou a circular, em Londres, o nosso primeiro jornal: o “Correio Braziliense” ou Armazém Literário (1808-1822). Criado por Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça (1774 / Colônia do Sacramento - 1823 / Londres) – considerado o Patrono da Imprensa no Brasil - este mensário  circulou clandestino na Colônia e  em Portugal, registrando, em suas 175 edições, os fatos mais importantes ocorridos na Europa e nas Américas; além do pioneirismo de defender a abolição gradual dos escravos no Brasil e a implantação de maquinário moderno e de mão de obra imigrante, já que havia muitos desempregados em alguns locais na Europa após as guerras napoleônicas.

A Inglaterra, país no qual Hipólito José da Costa viveu asilado os 18 anos restantes da sua existência, após a sua fuga do cárcere da Inquisição (1805),  em Portugal, sob acusação de ser maçom, liderou o tráfico de escravizados, passando depois, por interesse próprio, a defender a sua extinção, pois, com a Revolução Industrial, necessitava de futuros mercados consumidores e vinha criando tratados, desde 1810, para combater o tráfico negreiro, especialmente no Brasil.

Uma das cláusulas impostas ao nosso País, para que o governo inglês reconhecesse a nossa independência (1822), era o Brasil encerrar com o tráfico de escravizados, o que ocorreu somente, em 1850, com a criação da Lei Euzébio de Queirós, embora este nefando comércio seguisse internamente entre as províncias.

O jornalista e maçom Hipólito José da Costa considerava a escravidão um entrave ao progresso da Nação. Este posicionamento se encontra registrado, de forma pioneira, no Correio Braziliense, a partir de março 1814.  

Infelizmente, a Lei Áurea, de 13 de maio de 1888, que determinou o final da escravidão no Brasil, ocorreu sem um projeto de inserção social para os libertos, bem como as leis anteriores a esta beneficiavam mais ao proprietário em detrimento do escravizado.

 Diante do despreparo do escravizado frente a uma sociedade competitiva e excludente, livre se deparou com a miséria e a invisibilidade social. Infelizmente, a historiografia oficial, durante muito tempo, sob o mito da chamada “Democracia Racial”, soterrou nos porões da memória nacional a dívida histórica com os afrodescendentes deste país.  Já em março de 1814, em seu Correio Braziliense, Hipólito José da Costa nos alertava sobre a questão da escravidão:

"Os melhoramentos do nosso século produzirão uma gradual e prudente reforma neste ramo que, marcando os progressos de nossa civilização serviria de grande honra aos legisladores, que se ocupassem desta matéria”.

O Patrono da nossa Imprensa ficou surpreso que, no Brasil, após sua independência (1822), os escritores permanecessem em silêncio quanto à permanência do sistema escravocrata. Nas páginas do primeiro jornal brasileiro, o Correio Braziliense (1808-1822), editado por ele, em novembro de 1822, fez esta crítica contundente:

"É ideia contraditória querer uma nação livre, e se o consegue ser, blazonar, em toda a parte e em todos os tempos, de uma liberdade, mantendo dentro de si a escravidão, isto é, o idêntico costume oposto a liberdade. Os brasileiros, portanto, devem escolher entre essas duas alternativas: ou eles nunca hão de ser um povo livre, ou hão de resolver-se a não ter consigo a escravidão.”

O pensamento de Hipólito José da Costa, difundido por meio dos artigos do “Correio Braziliense”, é exemplo da capacidade de discernimento e compreensão que tinha da realidade brasileira. Com sua inteligência e bagagem cultural, ele percebia o atraso que se encontravam vários setores do Brasil Colônia devido à péssima administração pública, à corrupção e aos mandatários da época.  

Neste ano de 2020, o jornalista peruano Roberto Revoredo lançou a obra “Hipólito José da Costa e a Independência da América Latina”, no formato digital, na qual ele nos apresenta o Patrono da Imprensa no Brasil como um homem cosmopolita e preocupado não somente com os problemas brasileiros, mas  também com os movimentos libertários da América Latina , sendo tão importante quanto às figuras de San Martin (1778-1850) e Simón Bolivar (1783-1830)

Adepto da monarquia constitucional, Hipólito José da Costa criticava , em seu “Correio Braziliense”, a forma absolutista e centralizadora de governo. Infelizmente, mesmo após nossa Independência (1822), o poder, embora o discurso liberal da época, foi exercido de forma exacerbada por dom Pedro I, que fechou a nossa primeira Assembleia Constituinte (1823) e outorgou a nossa primeira Constituição de 1824, na qual por meio do Poder Moderador, ele detinha a última palavra em suas mãos.  Como dizia o saudoso historiador gaúcho Décio Freitas (1922-2004): “O Brasil é um País Inconcluso”           

Desde a década de 1970, o Rio Grande do Sul defendia o pioneirismo do Correio Braziliense na história da imprensa do Brasil. Getúlio Vargas (1882-1954), durante o Estado Novo (1937-1945), havia oficializado o dia 10 de setembro, como uma efeméride numa referência à Imprensa Régia que criou , após a chegada da Família Real no Brasil , em 1808, a Gazeta do Rio de Janeiro, um órgão oficial da Corte portuguesa.  A iniciativa de alterar a data alusiva ao Dia da Imprensa, no Brasil, partiu da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), por meio do seu presidente Alberto André (1915-2000) e do jornalista e escritor Raul Quevedo (1926-2009) , contando , na época, com o apoio dos renomados historiadores gaúchos Francisco Riopardense de Macedo , Claudio Moreira Bento e Paulo Xavier, além do Grande Oriente do Rio Grande do Sul.  

Os ideais do patrono da Imprensa no Brasil seguem, como um farol, a nos guiar na conquista plena da liberdade de expressão e na construção de um país justo e com menos desigualdades sociais.  O 1º de junho - Dia da Imprensa no Brasil - foi instituído, em 13 de setembro de 1999, por Lei Federal 9.831, a partir do projeto de autoria do deputado Nelson Marquezan (1938-2002) do PSDB gaúcho.  

 

                    


"Este artigo reflete as opiniões do autor e não do veículo. A Afropress não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizada pelas informações, conceitos ou opiniões do (a) autor (a) ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso da informações contidas no artigo."
Artigos Relacionados
Testemunho para a história
BRASIL REBELDE: MANIFESTO EM DEFESA DA VIDA, DA LIBERDADE E DA DEMOCRACIA
Estudos culturais: O jazz na sala de Aula
O protagonismo do jovem trabalhador negro e periférico
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados