29 de Junho de 2017 |
Última atualização 0:0
Comentamos
Benedita da Silva denuncia declarações racistas/nazistas de Jair Bolsonaro em clube judaico
Mais vistos
14/03/2014
Toninho deve ser confirmado para a Igualdade Racial em SP
Da Redação

S. Paulo – O novo secretário de Promoção da Igualdade Racial de S. Paulo, deverá ser mesmo, Antonio Pinto, o Toninho, em substituição ao atual secretário, o cantor, apresentador e vereador pelo PC do B, Netinho de Paula (foto), que se afastará do cargo para disputar uma cadeira na Câmara Federal nas eleições deste ano, conforme antecipou Afropress na semana passada.

A confirmação de Toninho deverá acontecer a partir de segunda feira (17/03), quando Netinho retorna de férias e se reunirá com o prefeito Fernando Haddad. Segunda uma fonte com trânsito na Prefeitura, Netinho deverá pedir audiência ao prefeito para levar o nome e depois disso, o próximo passo será a oficialização do seu substituto no Diário Oficial do Município.

Além de Toninho, que foi assessor de gabinete de Netinho na Câmara, o diretor executivo da Revista Raça Brasil Maurício Pestana também teve seu nome cotado para assumir a Secretaria.

Pestana tinha o apoio do PC do B e do ex-ministro dos Esportes Orlando Silva, que preside a legenda no Estado. Na condição de 1ª suplente Silva assumiu a cadeira na Câmara com a indicação de Netinho para compor o secretariado de Haddad.

Netinho, no entanto não abriu mão de bancar o seu assessor, o que fez com que o Partido recuasse. Além de bancado pelo secretário para substituí-lo, Toninho – que fez parte da gestão da ex-ministra Matilde Ribeiro na SEPPIR -, é filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Matilde, que ocupa o cargo de secretária-adjunta, era considerada a substituta natural de Netinho, o que não se confirmou. Ela deve, porém, continuar como secretária-adjunta.

A criação da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial de S. Paulo (SMPIR) foi uma promessa de campanha de Haddad. As expectativas quanto ao desenvolvimento de políticas públicas para atender as demandas da população negra paulistana (mais de 4 milhões de pessoas - 37,4% da população), porém foram frustradas com o orçamento aprovado para este ano - pouco mais de R$ 11 milhões, sendo que metade se destina a manutenção da máquina administrativa e despesas com funcionários. 


Artigos Relacionados
Jundiaí celebrará esta semana os 15 anos da Lei de cotas
Elisa quer ampliar diálogo entre a Policia Militar e os negros
Para chefe da SEPPIR é preciso não só reunir, mas unir negros
Coordenação de Políticas para negros em SP busca parcerias com a Seppir
Twitter
Facebook
Todos os Direitos Reservados