Essa esquerda, que combate a Operação Lava-Jato, responsável pela investigação que revelou o maior escândalo de corrupção da história do país, que botou na cadeia – também pela primeira vez no Brasil – os maiores empreiteiros e figuras políticas que se julgavam acima da Lei; essa esquerda que faz campanha contra o juiz Sérgio Moro, apenas por estar cumprindo as Leis e adotando o princípio de que elas valem para todos e não apenas para os pobres.

Pois bem, essa esquerda não me representa, pois é uma fraude, tenha a matriz que tiver, seja lulopetista, pecedobista, ou o raio que o parta. Esquerda de verdade não pode se colocar contra o combate a corrupção em um país em que o dinheiro da ladroagem de colarinho branco é retirado dos mais pobres com a precarização dos serviços públicos – saúde, de transporte e de educação etc.

Uma coisa são os erros próprios de qualquer atividade humana, inclusive no Judiciário; uma coisa, é o estrelismo de alguns membros do Ministério Público Federal, que podem estar passando a idéia de que teriam se transformado em militantes políticos, o que, evidentemente, não é o seu papel. Esta semana chegaram a esboçar chantagear o Congresso Nacional, ameaçando renunciar às investigações, o que é um despropósito e realmente intolerável.

Daí, fazer campanha contra a Operação e transformar o juiz Moro em algoz, apenas por estar cumprindo a sua função, como se vê nas redes sociais, são outros quinhentos. É coisa dessa "esquerda" fraudulenta e sem noção, que depois de ocupar o Governo durante 13 anos, sem fazer qualquer reforma ou mudança estrutural, tampouco assume suas responsabilidades perante a história e o povo brasileiro. Foi derrotada nas ruas e nas urnas e agora – com posições equivocadas e desconectadas da realidade – reforça o que há de mais reacionário na sociedade brasileira.

Se o país vive uma onda conservadora, se os manifestantes que estão indo às ruas abrem espaço para grupos que querem a volta da ditadura, há uma evidente responsabilidade em quem governou o país nos últimos 13 anos, inclusive, depois de arrasar a economia e quebrar a nossa principal empresa – a Petrobrás – nos deixou como legado Temer, o vice de Dilma, escolhido por Lula e pelo PT. São fatos incontestáveis que só a ignorância ou a má fé fingem ignorar.

Esquerda, que é esquerda, que defende a Justiça Social, que está ao lado dos mais pobres, dos excluídos de sempre; que considera que a República, ou é de todos, ou não é de ninguém, apóia a Operação Lava Jato "duela a quem duela", e não tem nenhuma razão para combater um juiz que cumpre a sua função e cujas decisões vem sendo sistemáticamente ratificadas pelas mais altas instâncias do Judiciário brasileiro.

 
 

 

Dojival Vieira