S. Paulo – Com a matéria “Escolas de SP empolgam Anhembi”, a Afropress atingiu, neste final de semana de carnaval, 1.000 matérias postadas. Buscando fazer jornalismo crítico, independente, com foco na temática étnico-racial, a Afropress passou a operar em tempo real a partir de 25 de junho de 2005.
Nossa primeira matéria tinha como título “Lançada na Europa Campanha Anti-racista nos estádios” e tratava da campanha contra o racismo liderada pelo jogador brasileiro Adauto, na República Theca.
Em seguida, a Afropress foi a Brasília para a cobertura da 1ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, promovida pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), do Governo Brasileiro, e que reuniu cerca de 1.200 delegados de todo o país. No dia 29 de junho de 2.005, nossa manchete foi: “O Brasil se reúne para discutir a Igualdade Racial”.
Além do editor e jornalista responsável Dojival Vieira, estiveram presentes na cobertura da Conferência, a coordenadora de Redação, Dolores Medeiros, e a repórter Maria Júlia Medeiros Silveira.
A primeira matéria, após a marca história de mil matérias postadas, é uma que a Equipe Afropress jamais gostaria de ter noticiado: a morte do Pai Francelino de Shapanan, sacerdote de matriz africana e autoridade religiosa no ABC e em S. Paulo, morto no domingo, no Hospital das Clínicas.

Da Redacao