New York/EUA – O correspondente de Afropress em Nova York, Edson Cadete, e o colunista Bruno Lima Rocha, professor de Ciência Política e Relações Internacionais, foram os representantes brasileiros no Fórum Esquerda, promovido pelo Departamento de Sociologia da State University, em Nova York, que começou ontem (30/05) e vai até amanhã (1º/06) na Faculdade de Justiça Criminal John Jay.

O Fórum Esquerda (Leftforum.org) é realizado anualmente em Nova York e reúne participantes de todo o mundo em painéis e workshops para debater temas contemporâneos sob o ponto de vista da esquerda. Os participantes – intelectuais progressistas, acadêmicos e ativistas – se reúnem para exposições críticas sobre o mundo e discussão das diferenças, semelhanças e alternativas para impasses atuais e para compartilhar idéias que contribuam para compreensão e a transformação do mundo.

No ano passado o Fórum reuniu cerca de 4 mil participantes e mais de 1.200 conferencistas distribuídos por centenas de painéis, entre os quais, Noam Chomsky, Slavoj Zizek, Michael Moore, Cornel West, o reverendo Jesse Jackson, um dos líderes do movimento dos direitos civis nos EUA, e o cineasta Oliver Stone.

Impasses da Democracia

Cadette e Rocha Lima, que é professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing da Unisinos, foram os expositores do painel “Construir uma outra realidade: Democracia Radical”, que contou ainda com a participação de Autum Quezada-Grant Roger Williams, do Departamento de História e Estudos Americanos, de John Maerhofer, e de Marc Jorgensen, assistente de Programas na The George Washington University.

Na exposição a uma sala lotada de ativistas, estudantes de esquerda e professores da Universidade, o colunista de Afropress lembrou as manifestações de junho do ano passado e denunciou a violência policial contra manifestantes. Também denunciou a situação em que vivem indígenas e quilombolas no Brasil.

Por sua vez, o correspondente Edson Cadette falou da violência do Estado contra os jovens negros das periferias das grandes cidades e lembrou que “um jovem negro no Brasil tem três vezes mais chances de ser assassinado pela Polícia do que um jovem branco”, de acordo com o Mapa da Violência que é divulgado anualmente.

 

Os demais participantes também abordaram a questão zapatista no México, o pensamento político do peruano José Mariategui, cidadania, direito e racismo no Brasil, além dos desafios para a radicalização da democracia e o desenvolvimento social nas duas últimas décadas.

Democracia racial

Cadette também apontou a falácia do mito da “democracia racial”, que segundo ele, mantém intacta e projeta para o futuro a herança maldita dos quase 400 anos de escravidão”.

Após o painel – que começou às 15h00 e terminou por volta das 16h50 – Cadette e Lima Rocha permaneceram para o painel que está acontecendo na noite deste sábado (31/05), com a presença da ativista negra Angela Davis (foto), militante do Partido Comunista dos EUA e dos Panteras Negras, conhecida mundialmente pela militância pelos direitos das mulhres e contra a discriminação social e racial,  o cantor Harry Belafonte e o ativista Cornel West, filósofo, autor, ator, crítico e ativista dos direitos humanos e membro dos Socialistas Democráticos da América. West é professor em Princepton.

 

Da Redacao