S. Paulo – Em uma década de jornalismo focado nos temas de interesse da população negra brasileira, a Afropress foi tema de inúmeros artigos de pesquisadores, um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e uma tese de doutorado em diferentes Universidades brasileiras.

A dissertação “Imprensa Negra Online: o racismo na pauta de todos os dias”, dos pesquisadores Ilzver de Matos Oliveira (foto) e Lourdes Ana Pereira da Silva, foi um dos trabalhos apresentados e aprovados na V Jornada de Estudos Afro-Brasileiros (ANPUH-RS), realizada em setembro de 2008, em Porto Alegre, e no 5º Encontro Naconal dos Pesquisadores em Jornalismo, promovido, em novembro pela Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), na Universidade Federal de Aracaju.

“Anotamos que a proposta da AfroPress, que tem por foco um jornalismo voltado para a temática racial e étnica, a partir do uso da Internet, e pelo aproveitamento da experiência e do idealismo dos seus membros no trato da temática racial, por serem militantes e voluntários de movimentos sociais, e da sua formação profissional, já que são jornalistas ou profissionais de áreas afins, consegue realizar um trabalho que congrega a legitimidade, a capacidade e a independência”, destacam os pesquisadores no artigo.

Em 2011, o estudante Cláudio Vicente da Silva, da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB), apresentou como trabalho de conclusão de curso a manografia “Afropress: Engajamento e neutralidade”, sendo aprovado com louvor.

http://bdm.unb.br/bitstream/10483/4042/1/2011_ClaudioVicentedaSilva.pdf

Doutorado

No ano passado, a jornalista gaúcha Leslie Sedrez Chaves, do Programa de Pós-Graduação de Comunicação da Universidade do Rio dos Sinos (Unisinos), de Porto Alegre, apresentou como trabalho de conclusão do curso de doutorado, a tese “Usos da Internet nos Movimentos Sociais Negros em Rede na Luta pela Igualdade Racial: Estudo de caso da Agência Afropress”.

Para concluir a tese, Leslie (foto), que teve como orientadora a professora Denise Cogo, pesquisou durante os quatro anos do curso, fez viagens a S. Paulo onde visitou a redação da Afropress e entrevistou jornalistas e colaboradores que integram a rede da Agência.

Durante o curso, ela ganhou Bolsa da CAPES e permaneceu por seis meses em Madrid, na Espanha, na Universidade Rey Juan Carlos, sob a orientação do professor José Carlos Sendín Gutiérrez, responsável pela cátedra que estuda Comunicação e África – a Cátedra AFRI-COM -, também sob a regência da Unesco. 

“Fico muito feliz em saber que a Afropress está completando uma década de trabalho. Igualmente feliz fico em saber que pude participar um pouco dessa história e acompanhar seu lindo trabalho. Parabéns e mais 100 anos de sucesso”, afirmou ao falar sobre os 10 anos de história de jornalismo da Agência.

Confira o trabalho de doutorado da jornalista e a entrevista concedida sobre a tese: 

http://biblioteca.asav.org.br/vinculos/00000b/00000b9e.pdf

http://youtu.be/nwSELhOc3yk?list=PLkdJ9gZlZDonM-UgG5PVofj_jp839ukac 

 

Da Redacao