São Paulo – O presidente da Associação Nacional do Coletivo de Empresários e Empreendedores Afro-Brasileiros (Anceabra) João Bosco Borba, e o presidente do Coletivo de Empresários e Empreendedores Afro-Brasileiros do Estado de S. Paulo (Ceabra-SP), João Carlos Martins, apresentaram nesta sexta-feira (27/07) à direção da Bolsa de Valores do Brasil (Bovespa), o projeto “Tô na Bolsa”, que tem como objetivo criar condições para que a comunidade negra passe a fazer negócios no mercado.
Borba e Martins foram recebidos pelo diretor de Relações Institucionais, José Roberto Mubarack. O Projeto prevê a realização de cinco cursos pilotos no Brasil para capacitação de jovens e empreendedores negros de como aplicar na Bolsa de Valores. Os Cursos deverão acontecer em cinco capitais – São Paulo, Salvador, Fortaleza, Goiânia e Brasília. O público alvo do curso, além de empreendedores e micro-empresários negros, serão os estudantes que estão tendo acesso às Universidades por meio de ações afirmativas.
Segundo João Bosco Borba, o Brasil tem hoje cerca de 8 milhões de negros considerados de classe média, entre os quais, profissionais liberais, empreendedores e funcionários públicos. “Nós estamos trabalhando de forma estratégica. Temos uma concepção de que está se constituindo uma elite econômica a partir dos estudantes que estão acessando à Universidade por meio das cotas. Eles serão os próximos empresários, empreendedores, exectuvios e gestores públicos. Temos de preparar essas pessoas para toda a dinâmica financeira do mercado e uma delas é a Bolsa de Valores”, afirmou.
De acordo com Borba, é possível aplicar na Bolsa a partir de R$ 1 mil reais em diante como investimento de longo prazo. “E é um investimento seguro porque você é dono do seu título. Quem tem um dinheiro pequeno, R$ 7, 8 mil deixa na bolsa de valores se não for precisar no curto prazo. Então nós temos que preparar nossa juventude para intervir nesse mercado financeiro”, acrescentou.

Da Redacao