Araraquara/SP – Estimular o encontro com a cultura negra: este é um dos objetivos do programa de visitas que se iniciou na última sexta-feira, (23/06), pela manhã, no Centro de Referência Afro de Araraquara.
Quarenta e cinco alunos do Centro de Educação Complementar Piaquara, com idade entre 06 e 14 anos, acompanhada por professores, conheceram a sede do Centro de Referência – um espaço criado para o desenvolvimento de políticas de promoção da cidadania e respeito à diversidade étnico racial.
O Programa de visitas é uma realização da Prefeitura Municipal, por meio do AEPIR (Assessoria Especial de Promoção da Igualdade Racial), que tem como responsável Washington Lúcio Andrade. Na visita os alunos e professores conheceram as dependências e participaram de uma programação cultural intensa, com o grupo de capoeira Muzenza, o hip hop, o violão de Rogério Bento Amaral, e com o break de Ricardinho, Naiara, Viviane e Isabela. Além das apresentações, um pouco da história da cultura negra foi apresentada.
A professora do CEC Piaquara, Maria Moreira, disse ter visto na Agenda Cultural do município que o Centro de Referência Afro estava aberto para o programa de visitas. “Já queria ter vindo, mas agora é que deu certo”. Para ela e a equipe de professores do CEC, a aproximação dos alunos com culturas diversas, é algo que deve ser explorado constantemente. Ela lembra que o CEC Piaquara, durante todo o ano passado, explorou a cultura afro. Já este ano, segundo ela, pegando o gancho da Copa do Mundo, o CEC está explorando os países de todos os continentes. “Angola é um dos países em estudo. Trabalhamos muito a cultura afro que formou, também, o povo brasileiro”, complementa a professora que estimula o conhecimento à diversidade cultural dos países. “Viemos também para os alunos terem mais um acesso aos espaços culturais do município”.
O aluno Maicon Douglas Oliveira Souza, 12 anos, 6ª série, gostou de conhecer o Centro de Referência Afro. “Não conhecia e, para mim, foi uma surpresa. É legal conhecer a cultura negra: tem muito dela no nosso dia-a-dia”. Para Maicon, hábitos como os de sua avó, apontam isso, Já para Queren Irene da Costa Pereira, 13 anos, 7ª série, “o Centro de Referência Afro será um espaço interessante para aprender sobre a cultura negra, mas por outro é triste, porque não temos vários em outras cidades. A cultura afro é muito interessante, mas, às vezes, fica esquecida”, relata.
Ela já está de olho na programação das oficinas de arte que serão desenvolvidas no Centro. “Sou uma forte candidata às oficinas de break”, confessa confiante.
O Centro de Referência Afro é uma reivindicação do movimento negro, votada no 0rçamento Participativo em 2003 e 2005. Segundo o assessor da AEPIR, Washington Lúcio de Andrade, o Centro de Referência começa a abrigar vários tipos de atividades e projetos para promoção e preservação da cultura negra, política e educação. “Mas não é um espaço só para negros”, salienta.
Ele disse que a proposta é a realização de um trabalho de integração e igualdade racial. “Todos podem participar das atividades ou ter acesso ao acervo histórico. Aliás, essa é a intenção. Queremos que todos saibam e conheçam sobre a rica cultura negra”, completa.
Escolas e grupos interessados em participarem do programa de visitas do Centro de Referência Afro devem entrar em contato pelo fone (16) 3322-8316 para o agendamento. Vale lembrar que as visitas acontecem diariamente.

Da Redacao