E o avião caído? Eu sei que o assunto meio que saiu de pauta. A imprensa quer news, novidades, mas o mistério neste caso, em vez de ir se desvanecendo com o noticiário, acumulando mais perguntas que respostas, só faz crescer.

As notícias, com desencontrados pareceres preliminares de peritos e testemunhas oculares vão ficando cada vez mais cuidadosas ou parcimoniosas. A tendência dos peritos em seus pareceres parece insistir demais na hipótese de falha humana, mais por falta de uma explicação técnica para a queda do que, propriamente por alguma convicção estabelecida.

Além disso, ainda sem argumentos técnicos cabais, refutam de forma muito insistente a ocorrência de um incêndio na aeronave antes da queda, evento informado, insistentemente e com clareza por dezenas de testemunhas oculares, que assistiram a queda de vários ângulos. 

Na verdade, as falas dos peritos se baseiam muito mais, neste caso, em justificativas de caráter psicológico, que fazem alusão ao eventual estado de choque das testemunhas no momento em que presenciaram o acidente, o que teria feito com que elas se confundissem.

Mas são muitas as testemunhas da queda em chamas do avião, todas muito convictas do que viram, algumas posicionadas a grande distancia do evento, o que anula a hipótese de estado de choque, quase que inteiramente.

Outro mistério que os peritos não explicam é o fato da caixa preta não ter gravado o voo. Os especialistas são unânimes em apontar apenas duas hipóteses: 

1- Defeito no aparelho (voice recorder), possibilidade considerada remotíssima por conta da importância crucial do dispositivo, absolutamente essencial à credibilidade de todo o sistema de aviação internacional.

2- Ação deliberada do piloto ou alguém na cabine, desligando a aparelho, hipótese também remota, principalmente por conta da alta importância do principal passageiro que exigiria do piloto bastante cuidado com suas responsabilidades profissionais, até mesmo na hipótese de um acidente no qual sua culpabilidade pudesse ser aventada.

Por fim, embora hoje só se fale disto em posts de teorias da conspiração nas redes sociais, há de se encontrar uma explicação mais plausível para a extrema violência da explosão, absolutamente incomum em acidentes de aviação anteriores (nem no avião da Malaysian Airlines, atingido por um míssil se viu estrago semelhante).

Impressionante como, ocorrendo de dentro para fora da aeronave, no padrão de uma bomba, a explosão, praticamente pulverizou os corpos e o avião, lançando partes pesadíssimas deste – como as turbinas, por exemplo – a muitos metros de distância (veja na foto o impressionante buraco feito pelo deslocamento de uma das turbinas)

Em fotos impublicáveis que achei na internet, há fragmentos de corpos como uma mão dilacerada e parte de uma panturrilha de perna, com uma ponta de tíbia partida, demonstrando que os corpos, simplesmente foram explodidos, fragmentados, quase pulverizados pela força absurda daquela explosão incomum.

Por certo um mistério que perdurará por muito tempo, se é que será mesmo esclarecido um dia, como é comum acontecer por aqui.

Spírito Santo