Londres – O principal ativista da Grã-Bretanha contra o racismo, Trevor Phillips, da Comissão pela Igualdade Racial (CIR), disse ontem que a ação do Governo britânico impediu reações de retaliação a população muçulmana, após os atentados que mataram 52 pessoas na última quinta-feira.
“O notável é houve poucos incidentes e não estamos transformando nossos vizinhos em inimigos”, afirmou Phillips, após assinar o livro de condolências às vítimas dos atentados.
Segundo o ativista, os autores dos ataques querem dividir a cidade por causa de sua tranqüila mistura multicultural. Líderes muçulmanos disseram ter sentido um aumento no número de agressões desde os ataques, por meio de mensagens de ódio ou ataques a mesquitas. Eles, contudo, afirmam ter recebido muitas mensagens de apoio de não muçulmanos.
Trevor Phillips é um britânico negro filho de pais caribenhos e a CIR é uma ONG criada no final da década de 1970 e financiada pelo Governo para combater a discriminação racial. A proposta da entidade é trabalhar com as autoridades, empresas e outras Organizações Não Governamentais para combater o racismo e disseminar a consciência anti-racista entre os britânicos.
“Há cinco ou dez anos, acho que nos encontraríamos em uma situação de grande tensão neste fim de semana, com as pessoas apontando o dedo para uma comunidade específica. Isso é realmente um divisor de águas para este país. No momento de maior estresse imaginável, com a maior das provocações, a tentação seria dividir. Isso não está acontecendo”, afirmou.
Entre os líderes religiosos que assinaram o livro de condolências está Igbal Sacranie, Secretário-geral do Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha. Em carta aos seus seguidores de todo o país, Sacranie afirmou: “É nosso dever ajudar a trazer os perpetradores dessa tragédia à Justiça rapidamente. Se eles não forem apanhados em breve, esses criminosos podem tentar cometer ainda mais atrocidades no futuro próximo. Isso dever ser impedido”, completou.

Da Redacao