Botucatu/SP – A ativista negra e coordenadora da Assessoria da Igualdade Racial da Prefeitura de Botucatu, Conceição Domingos Vercesi, é uma das 32 mulheres de baixa e média renda escolhidas para participar do Programa de Consultoria para Micro-Empreendedoras – o Women’s Mentoring Program -, projeto do consulado dos Estados Unidos em parceria com o SENAC, SEBRAE e associações de mulheres.

O Programa foi lançado em julho passado, numa reunião na residência do cônsul-geral dos EUA em S. Paulo, Dennis Hankins, e prevê orientação de mentoras e aulas de negócios ao longo de seis meses. O Projeto também inclui palestras sobre empreendedorismo e orientação com executivas de grandes empresas e está no contexto da promoção dos direitos e condições da Mulher que é um dos destaques do Memorando de Entendimento assinado em 2010 entre os EUA e o Brasil. Em entrevista a Afropress, Conceição Vercesi conta como foi escolhida e suas expectativas em relação ao Programa.

Leia, na íntegra.

Afropress – Como se deu a escolha do seu nome para o Programa Mulheres Empreendedoras do Consulado norte-americano?

Conceição Domingos Vercesi – Silvia Sasaoka, minha mentora no Programa, fez uma recomendação de duas mulheres que, segundo ela, tem espírito de liderança e atuam na sociedade por causas humanistas, no meu caso a minha luta pela igualdade racial.

 

Afropress – Em que consiste o Programa, objetivos, metas etc?

ConceiçãoWomen’s Mentoring Program consiste em um programa de mentoria com duração de quatro meses, conectando mulheres empreendedoras às mulheres de negócios parceiras do consulado e, organizações como Centro Universitário SENAC e SEBRAE dentre outros. Teremos também contato com mulheres que atingiram destaque no mundo executivo e hoje têm cargos de liderança em grandes empresas. Elas falarão sobre suas experiências e dificuldades no mundo dos negócios.

Afropress – Quantas mulheres negras participam? Você é a única representante do interior?

Conceição – Tem várias mulheres negras, todas com uma história de superação maravilhosa, como diz uma delas, mulheres que falam pouco e agem muito e que não olharam para as circunstâncias e sim apenas para as possibilidades e estão fazendo história, deixando um legado às gerações futuras. Temos duas representantes do interior.

Afropress – Há previsão de ida do grupo aos EUA?

Conceição – Não, o Programa não contempla esta possibilidade.

Afropress – Faça as considerações que julgar pertinentes.

Conceição – Quero aproveitar a oportunidade para agradecer a Silvia Sasaoka por acreditar e nos colocar em lugares tão especiais e que alavancam o nosso trabalho. Também ao prefeito de Botucatu João Cury por apoiar, a Afropress por esta visibilidade às questões de interesse da população negra, ao cônsul Dennis Hankins que nos recebeu em sua casa e ao Consulado americano por esta visão estratégica de emancipação e desenvolvimento. Estou aprendendo muito e crescendo muito com esta experiência e com toda certeza como forma de gratidão transmitirei a todos (as) quanto puder e conseguir alcançar.

 

Da Redação