S. Paulo – Ativistas e militantes do Movimento Brasil Afirmativo decidiram intensificar a mobilização pela coleta de assinaturas e de preparação da Parada Negra, que acontecerá no 20 de Novembro – Dia Nacional da Consciência Negra, na Avenida Paulista, em S. Paulo.
Reunidos no Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC) no último sábado, foi feito um balanço do movimento de coletas de assinaturas nas listas que estão percorrendo escolas e bairros da cidade.
A proposta do Movimento é levar para as ruas a luta pela aprovação do Estatuto da Igualdade Racial e PL 73/99, que criam Ações Afirmativas, dentre as quais Cotas para negros e indígenas. Os projetos tramitam no Congresso há anos e devem ser pautados para votação em 2.007.
O Instituto Sindical Latino Americano pela Igualdade Racial (Inspir), a CUT, Força Sindical, CGT e as demais centrais já assumiram a mobilização. O Inspir e as Centrais, contudo, ainda não tem acordo sobre a realização da Parada Negra no dia 20.
Para o Movimento Brasil Afirmativo, que defende a autonomia e independência do Movimento pela Igualdade Racial, em relação a Governos e a Partidos, a Parada Negra, deverá se constituir em um momento de unidade de todas as forças que lutam por Liberdade, Justiça, Igualdade Racial e Democracia.
“É preciso evitar a dispersão que tem tradicionalmente ocorrido. As Marchas do ano passado devem servir de exemplo do que não devemos repetir. Nossa unidade é fundamental para fazer avançar a luta contra o racismo no Brasil, mas essa unidade se dá na prática, nas ruas, na luta”, afirmou o professor Antonio Jacinto, que coordenou a reunião do último sábado, na qual estiveram presentes representantes de Núcleos da Rede Educafro.
A próxima reunião já está marcada para o Núcleo da Consciência Negra, no próximo sábado, dia 30/09, das 10h às 12h. O Núcleo fica na Rua Prof. Lúcio Martins s/n – Trav. 4 – Bloco 3, próximo ao prédio da ECA, na Cidade Universitária. Também já está agendada uma reunião na Coordenadoria Especial de Assuntos da População Negra (CONE).
Depois de se reunir na semana passada com Dojival Vieira, editor de Afropress, e João Bosco Coelho, do Centro Acadêmico da Faculdade Zumbi dos Palmares, ambos do Movimento Brasil Afirmativo, o coordenador da CONE, Mário Côrtes, defendeu a unidade no dia 20 de novembro e se propôs a chamar uma reunião com todas as entidades e organizações para colocar o tema na pauta.

Da Redacao