Gaúcha de Porto Alegre, Deise Nunes Ferst também foi a primeira e única mulher negra brasileira a disputar o Miss Universo, se classificando como uma das semifinalistas do Concurso em 1.986 – ficou em sexto lugar.
Modelo profissional, colorada (é fanática pelo Internacional), casada e mãe de dois filhos – Pedro com 19 anos e Júlia com 17 anos – ela concedeu entrevista, por e-mail, a jornalista Flávia Cavalcante (Miss Brasil 1.989) e ao editor de Afropress, jornalista Dojival Vieira, em que falou do impacto positivo da eleição da angolana como Miss Universo 2011.
“Esta eleição chega para levantar a autoestima das negras e com isso mostrar para todos que temos capacidade para enfrentar todos os obstáculos, inclusive no mercado de modelos. Infelizmente não vemos muitos negros em comerciais. Já foi bem pior mas tem quem melhor e muito para que fique satisfatório”, afirmou.
Para Deise Nunes a situação do negro brasileiro “melhorou bastante, mas permanecem as desvantagens, especialmente no mercado de trabalho”. “Infelizmente ainda sofremos discriminação, principalmente, se for mulher e negra”, acrescenta.
Leia a entrevista na íntegra
Afropress – Qual a importância que você vê na eleição de uma mulher Negra, Leila Lopes, a Miss Angola, escolhida a mulher mais bela do mundo?
Deise Nunes – Acho extremamente importante a vitória da Leila Lopes porque além de mostrar ao mundo que os negros são bonitos eleva a autoestima da raça.
Afropress – Que impacto pode ter a eleição de uma mulher negra em um país como o nosso, em que o único modelo e padrão de beleza predominantes são o branco escandinavo, de olho azul?
Deise Nunes – Desejo que o impacto seja positivo pois ainda, em pleno século XXI, sofremos preconceitos de todas as formas. É inadmissível qualquer tipo de preconceito. Temos que respeitar as pessoas pelo que elas são e não pela cor, credo ou opção sexual. Há um ditado que diz: “respeite para ser respeitado” e é isso que procuro fazer na minha vida.
Afropress – Como a mulher mais bonita do Brasil em 1986, quais as barreiras teve de enfrentar para se impor por sua beleza e inteligência?
Deise Nunes – No Miss Brasil não enfrentei nenhum tipo de preconceito, mas sofri discriminação em um concurso anterior ao Miss Brasil. Afirmo que foi a pior experiência que já vivi e não desejo que ninguém viva o mesmo.
Afropress – Você tomou conhecimento do que aconteceu em 1.977 quando Apolenice, a Miss Passo Fundo, foi impedida de ser eleita Miss Rio Grande do Sul, por ser negra?
Deise Nunes – Não tinha conhecimento deste fato e confesso que fiquei perplexa ao saber do mesmo. É incrível que esta notícia não faça parte da história das misses. Lamentável tal desconhecimento por parte do público em geral.
Afropress – Como a eleição de uma mulher Negra Miss Brasil, ou Miss Universo, como aconteceu com a Leila, podem influenciar para ampliar o mercado publicitário e da beleza para jovens negras?
Deise Nunes – Esta eleição chega para levantar a autoestima das negras e com isso mostrar para todos que temos capacidade para enfrentar todos os obstáculos, inclusive no mercado de modelos. Infelizmente não vemos muitos negros em comerciais. Já foi bem pior mas tem quem melhor e muito para que fique satisfatório.
Afropress – Como vê o resgate, que parece está ocorrendo, com os Concursos de Miss, em que mulheres como você e a Flávia Cavalcante, nossa Miss Brasil 1.989, se consagraram?
Deise Nunes – Te digo que estou bem feliz com o resgate do Miss Brasil. Percebo que as pessoas tem se interessado mais pelo concurso e isso é maravilhoso para o crescimento do mesmo.
Afropress – Como é a sua vida profissional hoje depois de ter sido escolhida a Mulher mais bonita do Brasil?
Deise Nunes – Atualmente estou trabalhando no projeto de uma escola de passarela e etiqueta e pretendo colocá-lo em prática no ano que vem. Sinto que há mercado para este tipo de serviço e por isso vou apostar.
Afropress – O que você tem a dizer para as meninas negras que muitas vezes tem sua autoestima destruída pelo racismo e pela discriminação racial?
Deise Nunes – Que sejam fortes e que jamais dessistam dos seus sonhos. Por mais difícil que seja, que lutem sempre porque não há recompensa melhor do que conseguirmos alcançar nossos objetivos.
Afropress – Como você vê a situação da população negra brasileira e, em especial, da mulher negra?
Deise Nunes – A situação do negro brasileiro já melhorou bastante mas ainda temos desvantagens principalmente no mercado de trabalho. Infelizmente ainda sofremos discriminação, principalmente, se for mulher e negra.
Afropress – Você namorou o cantor Julio Iglesias. Como foi essa passagem da sua vida que te projetou internacionalmente?
Deise Nunes – Nos encontramos casualmente e namoramos por oito meses. Com ele conheci várias pessoas e alguns lugares mas, nossas atividades profissionais nos impediram de seguir com o namoro. Ele é extremamente gentil, cavalheiro e muito amigo. Torço sempre pela saúde e sucesso dele.