Aproveitando o hiato entre a realização do pleito e a posse dos eleitos majoritária ou proporcionalmente, que segundo articulações efetuadas nos umbrais do poder já começa a ser intentado para possibilitar a mudança de partidos, ou seja, o troca-troca político partidário.
O tucanato criado na sombra de uma dissidência do histórico MDB, que apanhou na cara durante os últimos oito anos deixa qualquer ser humano de bom senso enojado com a falta de uma personalidade forte, sem decisão e sem responsabilidade política ao não defender as obras e o Governo FHC, a quem nada devo, mas respeito, mesmo com suas eloqüências de que o negro deve ter um pé na cozinha.
Política, está mesmo em extinção, deixando cair no esquecimento e que se apague fatos importantes e relevantes criados no Governo federal tucano, como o Plano Real, a Lei de Responsabilidade fiscal, o PROER, que saneou os bancos impedindo que a crise mundial atingisse o país; assim como as mínimas privatizações necessárias de empresas estatais que nunca deram lucro e projetos sociais criados durante o Governo tucano e que desembocaram no chamado Bolsa Família de hoje, apropriados indevidamente pela esquerda festiva e mentirosa que afirma, através de militantes tarefeiros que venderam nossos bens, e que nada fizeram anteriormente esquecendo-se dos escândalos que tomaram conta do país nos últimos oito anos de Governo do Partido criado nas então lutas sérias de Vila Euclides no ABC paulista e não foram esclarecidos porque a cúpula partidária petista sempre alega que não sabia nada sobre os mesmos, acreditando na decantada memória curta do povo deste Brasil, brasileiro de quase todos nós, para usar da fata da verdade e não para esclarecer a população sobre o que ocorre nos umbrais do poder.
Este país que não tolera mais o populismo, o fisiologismo, a corrupção e a falta da verdade com palavras enganosas, terá realmente a oportunidade de mudar no próximo dia 03, através do voto nas urnas eletrônicas, sem se deixar levar pelas pesquisas encomendadas e mal esclarecidas, observando claramente durante este período de campanha eleitoral, nas entrevistas, reuniões e circulação de candidatos por este imenso Brasil em contatos com entidades da sociedade civil e junto as mais diversas camadas da população que a seriedade e responsabilidade política da candidata Marina Silva, do PV, que nas pesquisas realizadas no centro do Poder que é Brasília no final da última semana, já está ultrapassando o candidato tucano, sem demagogia, vai levar o pleito eleitoral para o segundo turno e será disputado pelas duas mulheres candidatas, com o mesmo tempo no horário político eleitoral gratuito, como pleiteantes a ocupar a cadeira número 1 do Palácio do Planalto.

Antonio Lucio