Kogelo/Quênia – A derrota do senador Barack Obama, o primeiro negro com chances reais de se tornar Presidente dos Estados Unidos, nas primárias de New Hampshire, nesta terça-feira (08/01) não tirou o ânimo de sua família no Quênia.
Do povoado de Kogelo, em um país que acaba de passar pelo trauma de uma disputa eleitoral que resultou em cerca de 500 pessoas mortas em choques nas ruas entre partidários do presidente Mwai Kibaki e do líder de Oposição, os Obama celebram. Sua avó Sarah Onyango Obama confia. “Ele é um bom ouvinte e se tiver uma chance vai trabalhar duro pela América”, afirma.
Sarah e Said Obama, tio do pré-candidato, vivem em uma casa isolada, a milhas de distância da aldeia mais próxima, onde não tem televisão e criam galinhas.
Os pais de Obama – Barack e Ann Dunhan – se separaram quando ele era criança e o senador por Illinois foi criado pela mãe e pelos avós maternos, americanos brancos. Só conheceu a família do pai nos anos 80, quando foi esteve no Quênia, após a morte do pai num acidente. Sara conta que o filho não se surpreenderia com o sucesso do pré-candidato. Na juventude, Obama viveu no Kansas (EUA).
O tio Said evita comentar as disputas internas no país, que já provocaram centenas de mortes em conflitos de rua, e se esquiva afirmando que “políticos são políticos”. Em relação ao sobrinho ilustre, contudo, faz uma ressalva. “Obama é de origem muito humilde e vai entender as pessoas nesta situação, que vivem na pobreza”, diz.

Da Redacao