Salvador – Inclusão no mercado de trabalho, responsabilidade social e combate ao racismo são as propostas do convênio de cooperação técnica firmado entre a Secretaria Municipal da Reparação (Semur), o Instituto de Responsabilidade e Investimento Social (Iris), o Senac e os shoppings Barra, Piedade, Lapa e Iguatemi. O convênio propõe a capacitação de 60 jovens negros em técnicas de vendas para atuação no setor em shoppings.
O convênio foi assinado nesta terça-feira (07/11 ), na sede da Semur, pelo secretário Gilmar Santiago, a presidente do Iris, Isabel Porte, e os representantes dos shoppings envolvidos no projeto: a superintendente do Iguatemi, Marta Rabello, o gerente-geral do Center Lapa, Sérgio Gonçalves, o superintendente do Shopping Piedade, Marcos Vinícius Jatobá Souto, e o superintendente do Shopping Barra, Nivaldo de Oliveira.
A primeira turma, com 30 alunos, teve início na segunda, no Senac/Casa do Comércio, e na quarta (08/11), foi iniciada a segunda turma, no mesmo local. O curso tem duração de 30 dias, somando uma carga horária de 105 horas/aula. As seis disciplinas do curso são voltadas para o desenvolvimento humano e capacitação técnica dos alunos, com conteúdos que abordam concepções sobre relações interpessoais, envolvendo discussões sobre ética, meio ambiente, enfocando aspectos de preservação do meio ambiente, incluído na preocupação com o meio urbano.
Os alunos terão ainda aulas sobre consciência negra e cidadania, enfatizando temáticas sobre identidade cultural, diversidade étnica e o negro no mercado de trabalho. As disciplinas técnicas correspondem à qualificação em prestação de serviços, noções em telemarketing e técnicas de vendas. O curso é ministrado por técnicos do Senac, que emitirá o certificado de qualificação. Conforme a presidente do Iris, cada um dos shoppings envolvidos no convênio deverá empregar 15 desses jovens.
O curso corresponde a uma ação do setor de Estímulo à Cidadania Empresarial, da Coordenadoria de Promoção Empresarial da Semur. A coordenadora Lucy Góes da Purificação comenta que o projeto terá uma atuação continua, enfocando cada turma um setor do mercado de trabalho. “Estamos trabalhando por segmentos. A proposta é que em 2007 trabalhemos com o segmento hoteleiro”, explica Lucy da Purificação.
Responsabilidade social
O secretário da Semur, Gilmar Santiago, comenta que o convênio corresponde à celebração de uma ação importante na luta contra o racismo e no combate ao desemprego. “Esse convênio é um passo importante no sentido de reconhecer que o racismo é um elemento estruturador nas relações sociais, implicando na exclusão dos afrodescendentes no mercado de trabalho e ao mesmo tempo demonstra a sensibilidade dos empresários do setor de shopping center de praticarem a responsabilidade social com políticas afirmativas”, expressou Santiago, enfatizando que a parceria corresponde à tendência mundial das gestões públicas, propondo interação entre governo, cidadãos e empresários.
No mesmo sentido, os representantes dos shoppings integrantes do projeto afirmaram que o convênio ratifica a responsabilidade social das empresas. O superintendente do Shopping Piedade, Marcos Vinícius Jatobá Souto, enfatizou que a parceria com a Semur materializa uma concepção que já vem sendo disseminada em sua empresa. “Esse projeto tem um diferencial porque qualifica o profissional, o que facilita a sua absorção pelo mercado de trabalho”, argumentou.
O gerente do Center Lapa, Sérgio Gonçalves, entende que o setor de shopping center tem grande responsabilidade social para com os jovens, uma vez que este corresponde ao principal mercado consumidor. “Temos uma responsabilidade diante da sociedade, devemos estar presentes, tentando ajudar no processo de inclusão de jovens no mercado de trabalho e esta é uma grande iniciativa porque vai permitir esta inserção”.
Da mesma forma entende a superintendente do Iguatemi, Marta Rabello. “Estamos orientando os lojistas para o trabalho de inclusão e agora vamos efetivar esta prática”, comentou. Já o superintendente do Barra, Nivaldo de Oliveira, expressa que a parceria corresponde não apenas a um privilégio, mas também estabelece a função social das empresas. “Mais que um privilégio, esse convênio é uma grande responsabilidade social”.

Da Redacao