Barsília – A executiva Nacional dos Bancários da Central Única dos Trabalhadores (CUT) aprovou moção de repúdio contra a gerência do Hotel Bay Park, de Brasília, onde ficou hospedada parte da delegação que participou da 1ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, encerrada na semana passada.
Delegados de vários Estados denunciaram a Polícia terem sofrido tratamento diferenciado em relação aos hóspedes brancos, desde o dia em que chegaram ao Hotel, situado a poucos quilômetros do Palácio da Alvorada. Os rádios relógios dos quartos foram retirados por funcionários, de acordo com o jornalista Gerson Pedro, da Ação Negra de Integração e Desenvolvimento (Anid) de Barueri, S. Paulo.
A Secretária de Políticas Sociais da CUT, do Rio Grande do Norte, Janevare Almeida de Souto, contou que estava dormindo na noite do dia 30/06, quinta-feira, dia da abertura da Conferência Nacional, quando um funcionário chegou para levar o rádio relógio, dizendo estar cumprindo ordens da gerência. “Se o hóspede fosse da conferência, o café da manhã servido era diferenciado dos demais hóspedes, era de pior qualidade”, acrescentou.
Por ser branca ela disse que não teve dificuldade em circular nos espaços, ao contrário dos integrantes da delegação negros, indígenas, judeus e palestinos.
O caso de racismo do Bay Park foi registrado no 2º DP de Brasília, apenas no dia seguinte e numa segunda tentativa, porque o delegado de plantão, num primeiro momento recusou-se a aceitar a queixa como racismo. Somente após a intervenção da Ouvidoria da Seppir e da Secretaria Especial de Direitos Humanos é que a queixa foi recebida.
O advogado Celso Fontana, delegado por S. Paulo, representando a sociedade civil entrou com representação pedindo ao Ministério Público do Distrito Federal que investiga o caso, para posterior processo e punição dos responsáveis.

Da Redacao