Rio – O encontro entre a ex-governadora e atual secretária de Assistência Social e Direitos Humanos no Rio, Benedita da Silva e o presidente dos Barack Obama – o primeiro negro a chegar à Casa Branca – anunciado pela própria com alarde como alarde como o dia “em que apertaria a mão dele e olharia olho no olho”, não aconteceu.
Embora tendo participado do café da manhã na Casa Branca, que reuniu líderes religiosos e da sociedade civil de cerca de 186 países, na última quinta feira (05/02), Benedita não chegou a falar com Obama. Mesmo assim – à distância de várias mesas – disse que ficou impressionada com “solicitude e simpatia do presidente e de sua mulher, Michelle”, durante as duas horas do café.
Antes de embarcar, ela não escondia a ansiedade. “Deixa chegar a hora, só o simples fato de estar lá, apertar a mão, olhar olho no olho, é uma história belíssima e eu não vou perder essa oportunidade”. E emendou: “Tivemos o Mandela, depois o Lula e agora Obama”. Não foi desta vez.
O encontro aconteceria no dia em que entidades de direitos Humanos como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch e até a ONU fizeram críticas duras a política de segurança pública do Governo do Rio, da qual Benedita é secretária, que tem se especializado em invadir morros para combater o tráfico e é frequentemente acusada pela morte de inocentes, na sua maioria negros.

Da Redacao