Bertioga/SP – Numa manifestação explícita de preconceito contra a população negra da cidade, a Câmara de Vereadores de Bertioga, cidade do litoral paulista, a 108 Km de S. Paulo, decidiu que não apoiará a realização da II Festa Africana, que faz parte do calendário de atividades turísticas da cidade.
A retirada do apoio a Festa que, no ano passado, reuniu milhares de pessoas durante três dias na Praça de Eventos, na praia da Enseada, aconteceu na sessão do dia 03 de outubro passado e provocou a revolta da comunidade negra, formada por cerca de 41,4% da população, segundo dados da Fundação Seade.
O estopim da revolta foi uma declaração do vereador Eduardo Pereira de Abreu (PDT), que rejeitou a iniciativa com a seguinte declaração. “Não tenho compromisso com santo nenhum para dar dinheiro para esta festa africana”.
A frase dita da tribuna da Câmara circulou pela cidade e, na sessão seguinte do dia 17/10, cerca de 200 pessoas sob a liderança da presidente do Conselho da Comunidade Negra, Valéria Bento, lotaram as dependências do Legislativo para cobrar explicações.
Assustados com a reação popular, os vereadores suspenderam a sessão alegando “falta de condições para prosseguir os trabalhos”.
A presidente do Conselho assumiu a tribuna e cobrou respeito do legislativo à população negra. Também foi distribuído um manifesto com a denúncia da postura preconceituosa dos vereadores.
Depois dos protestos, os manifestantes se retiraram, mas prometem continuar cobrando explicações.
Na sessão desta terça-feira, segundo a vice-presidente do Conselho, Cristiane Felisberto, será protocolado um pedido para que o presidente da Câmara, vereador Luis Henrique Capellini (PDT), entregue as fitas com o pronunciamento na íntegra do vereador Eduardo Pereira. Também pretendem cobrar do prefeito Lairton Goulart (PL), que sofre oposição de toda a Câmara, uma posição em relação a Festa.
A Câmara de Bertioga tem 9 vereadores de três partidos diferentes – três do PTB, três do PDT, dois do PT e um sem Partido. Entre os nove, Joselito Alves de Oliveira (PTB) é o único negro, porém, “não se reconhece como tal”, segundo dirigentes do Conselho da Comunidade.
Segundo estudo sobre a distribuição espacial da população residente por raça/cor em municípios do Estado de S. Paulo, de autoria dos pesquisadores Ricardo Vicente Ferreira e Marcos Martinez, com base em dados da Fundação Seade, 56,8% da população de Bertioga é branca, 41,4% é negra (preta e parda), 0,6% amarela e 0,9% indígena.

Da Redacao