Dois motoboys negros são assassinados por PM’s paulistas, um espancado até a morte dentro de um quartel, o outro sufocado com um mata leão em frente à mãe, no prazo de uma semana. Soldados do exercito, entregam três jovens negros para traficantes de morro rival, para serem mortos, no RJ.
Jair Bolsonaro é um estúpido (ele justifica que “em sã consciência não diria aquilo”), ventríloquo da ideologia doutrinária de direita racista que ensinam nos quartéis. Como ele há muitos pelo Brasil afora, tentando justificar o financiamento de seus mandatos aos empresários, a uma categoria de oficiais saudosos da ditadura que imperou no Brasil até 1985.
Prestam contas à rede Globo e aos ruralistas. Tem que ser cassado pelas barbaridades que diz e faz, como exemplo de que o Brasil não vai tolerar esse tipo de gente, nem deixar se criar estas praticas.
Não se iluda, Leitor, há muito vimos denunciando que, como ele, as elites neo-racistas; os deputados de direita Onix Lorenzoni , Valdir Collato, o deputado Pastor Marco Feliciano, do PSC, mais novo racista que diz “Os africanos descendem de ancestrais amaldiçoados”; os senadores Demóstenes Torres e Kátia Abreu; os intelectuais neo-racistas como Ivone Maggie, Ali Kamel e o mercenário Magnole, como outros de menor porte e visibilidade, como o Vereador Tonhão da Rapadura, “O Politizador”, de Campinas, que em pronunciamento na Câmara diz que a cidade está “suja, negra”, correlacionado ao que pensa em paralelismo à concepção ideológica racista de seu grupo político; além dos línguas de aluguel de esquerda do MN Socialista e,
lamentavelmente, o doutor Militão, em silencio, devem seguir essa gente.
Bolsonaro, o idiota fascista, é só a ponta do iceberg, é a micro expressão de algo muito maior: Uma confraria, que reúne a direitona militar e policial, saudosos da ditadura; os ruralistas da UDR/DEM; empresários oportunistas rapinadores dos recursos da nação; muitos pastores evangélicos, as classes médias, beneficiarias do “progresso” dos últimos 08 anos, de direita e de esquerda, com medo de concorrência às suas carreiras, os bons empregos no setor privado e nos governos de vários partidos. Há milhares por ai, enrustidos espalhando sua doutrina racista, incluindo nos quartéis.
A Polícia, o braço armado do Estado, faz o serviço sujo, que os políticos apóiam, lavando as mãos, pois não se dão ao trabalho de propor e construir projetos de investimentos em políticas de saúde, educação, emprego e renda, esporte e lazer para todos os cidadãos.
A mídia, os políticos, todos tentando taxar os agressores e assassinos, como exceção, como “bandidos que se infiltram na farda”, querendo inocentar a instituição Policia Militar. O comando, conivente, e contada às vezes que isentam e acobertam os crimes dos subordinados, pois, em quase todos os casos, só se posicionam quando os crimes viram notícia na grande mídia.
Os policiais responsáveis pelos atos de violência, em geral, voltam às ruas, tendo abrandadas as suas punições, voltando cometer os mesmos crimes, e acabando inocentados. São raros os casos de expulsão, condenação e prisão dos assassinos.
O oficialato é corporativista, protege seus membros delinqüentes; os políticos calam ou apóiam explicitamente com o discurso que é erro de alguns, não ideologia da instituição. Os Governos e o Judiciário silenciam e se calam, quando não, apóiam explicitamente. Estão todos mancomunados. A policia está acima da nação e da sociedade; estão descontrolados.
Juntam-se, em censo comum a mídia branca burguesa e racista, que apóia incondicionalmente a violência e as ações dos agentes do Estado, julgando e condenando as vitimas por antecipação, para a opinião pública, especialmente em se tratando de negros, com o argumento de que “algo errado deve haver para a policia agir assim” “só podem ser bandidos” etc, lavrando fraudulentos atos de resistência, para justificar muitos assassinatos. Implementam uma guerra não declarada aos inimigos da Nação: Os negros e os pobres.
Policiais são funcionários públicos, pagos com o seu, e o meu dinheirinho, caro Leitor, assim como os deputados, os governadores, os juízes, os senadores e a presidente. Nenhum deles é mais que você ou eu. Todos deveriam respeitar os direitos constitucionais dos cidadãos, mas, por portar mandato, togas, um distintivo e uma arma, julgam-se “os caras”, livres para cometer todo tipo de atrocidade, como se estivessem imunes a seus crimes e acima da lei.
Mostramos as estatísticas sociais, econômicas, políticas, a ausência de visibilidade: durante as recepções à Obama, só as autoridades brancas participaram, esconderam os 50% de negros no Brasil. Mostramos os números dos assassinatos: 550 mil, em onze anos contra 540 mil, no Iraque em Guerra; 150, apenas em três meses no Estado de SP. As vitimas 80% negras, 90% sem passagem na policia. É ou não o genocídio moral e físico de um povo?
Os últimos acontecimentos, envolvendo milicos, PM´s, deputados, senadores, pastores evangélicos, membros do Ministério Público, políticos, intelectuais e ruralistas, só provam aquilo que diz um comentário na internet: “E depois aparece um monte de cretinos dizendo que no Brasil não tem racismo!” Temos que reagir a isso!
O título original do artigo é “Bolsonaro é ventríloquo fascista e racista, agente provocador da direita, das instituições militares e policiais do estado brasileiro.”

Reginaldo Bispo