Munique/Alemanha – A presença da cultura negra brasileira tem crescido na Alemanha. Não apenas por meio da arte e da dança, mas também pelo trabalho que contribui para o crescimento do país, os brasileiros que vivem aqui – a exemplo do que acontece em outros países da Europa – estão se tornando cada vez mais embaixadores da cultura e multiplicadores da imagem do país.

Este ano é celebrado o Ano da Alemanha no Brasil, aberto no início do mês em solenidade no Rio, que teve a presença do presidente da Alemanha, Joachim Gauck. O ano – 2013/2014 – será marcado por grandes eventos no Brasil e tem como objetivo ampliar e aprofundar as relações entre os dois países, dar visibilidade à cooperação bilateral e incentivar novas parcerias.

Na Alemanha, os brasileiros são principalmente professores, dançarinos, artistas, entre outros profissionais que divulgam a cultura brasileira. Há oito anos na Alemanha, o carioca Lúcio Oliveira busca, na capoeira, valorizar a imagem da cultura brasileira. Ele é um dos mais populares mestres de capoeira em Munique. 

Formado em Educação Física, Lúcio sempre trabalhou como instrutor de capoeira na Alemanha. “Meu primeiro contato com essa arte foi aos 9 anos de idade vendo um dos meus irmãos jogando. Logo em seguida o Mestre Camisa conseguiu vários projetos para tirar as crianças das ruas, e um desses projetos foi iniciado na minha comunidade, na Gávea. Com 10 anos comecei a treinar e até hoje me dedico de corpo e alma a capoeira”, relata.

A capoeira, uma mistura de luta e dança, faz parte do patrimônio cultural afro-brasileiro. Segundo a maioria dos estudiosos, a modalidade foi desenvolvida pelos negros trazidos da África como escravos, durante o período da colonização. Hoje, muito divulgada em todo o mundo, a capoeira também é bastante popular na Europa.

Lúcio Oliveira, também conhecido como “Instrutor Pretão”, é um dos representantes da Abadá Capoeira (Associação Brasileira de Apoio de Desenvolvimento da Arte-capoeira) na Alemanha.

Vivendo e trabalhando em Munique, ele é defensor da idéia de que "há espaço para todos que tem algo de positivo para oferecer". Segundo Lúcio, a capoeira é também uma grande ponte para divulgar a cultura brasileira.

Escola

A Abadá Capoeira tem como filosofia o desenvolvimento do trabalho em vários níveis, utilizando a modalidade como valioso recurso pedagógico, artístico e cultural. 

Além da Alemanha onde tem centenas de adeptos, é popular em mais de 45 países. No Brasil, segundo estimativas existem 50 mil praticantes, exercendo atividades em universidades, escolas, clubes, academias e em comunidades carentes.

Na Alemanha, o Instrutor Pretão tem, entre os alunos, crianças, adolescentes e adultos. São alemães de diferentes classes sociais, interessados em aprender a arte de jogar capoeira; ao invés de preconceito, esses alemães têm admiração pela cultura negra brasileira.

A receita do sucesso do crescimento da Abadá Capoeira e do sucesso do "Instrutor Pretão", ele mesmo adianta: “Primeiramente, é preciso acreditar no que você faz e lembrar-se de que as dificuldades são normais. Levo sempre comigo uma mensagem que o Mestre diz: “ao que vem fácil não damos valor e com isso vai embora também facilmente”. Dessa forma temos que lutar pelos nossos sonhos, pois assim, quando olharmos para trás, veremos que somos capazes”, finaliza o mestre de capoeira.

Quer saber mais sobre a Abada Capoeira? Acesse Acesse www.abadacapoeira.de

Coluna: Brasil/Alemanha – Linha Direta – Colaborou: Angélica Feliciano

Simone Weissmann